Este português ganhou 50 mil com a bitcoin. Há mais como ele

Aceitam perder dinheiro para entrar na euforia das moedas digitais em busca de lucro rápido. É o caso de João Rosas, que ganhou 50 mil euros em quatro meses. Mas há mais como ele.

A bitcoin é como o Euromilhões: cria um pequeno excêntrico todas as semanas. O sortudo da última foi João Rosas, 28 anos, que na passada segunda-feira foi resgatar um pequeno investimento na famosa moeda digital realizado em agosto. Em menos de quatro meses, esse investimento transformou-se num lucro de 50 mil euros. “Já era muito dinheiro e a volatilidade estava a afetar-me psicologicamente”, revela ao ECO este trader amador de Carcavelos.

Investidores como João Rosa investem nas moedas digitais porque não querem perder o comboio… Arriscam a perder todo o investimento que aplicam com o objetivo de fazer lucro fácil. Noutros casos a aposta surge porque há um potencial na tecnologia subjacente às criptomoedas em que acreditam: a blockchain.

Seja como for, a euforia com as bitcoin está aí. E as últimas três semanas colocaram João Rosa na vertigem. Se os 17 mil dólares que vale cada bitcoin causa euforia para muitos, aumenta o nervosismo para outros tantos que investiram quando a moeda valia muito pouco.

“Estava sempre no telemóvel: como é que está, como é que está a bitcoin? Eram várias dezenas de vezes por dia que estava a olhar para o telemóvel. Isto esgota uma pessoa psicológica e emocionalmente“, conta o pequeno investidor.

"Estava sempre no telemóvel: como é que está, como é que está a bitcoin? Eram várias dezenas de vezes por dia que estava a olhar para o telemóvel. Isto esgota uma pessoa psicológica e emocionalmente.”

João Rosas

Investidor

“E mesmo em almoços familiares, as conversas iam sempre dar ao mesmo. ‘Então como é que está a bitcoin?’, perguntavam-me sempre. Até o meu pai, que pouco ou nada percebe de tecnologia, está agora a ver gráficos da bitcoin”, afirma este antigo estudante de Engenharia Civil que em abril recorreu ao dinheiro dos certificados de aforro para apostar na bolsa. Ele hoje ocupa os seus dias como trader, embora sem a formação de um.

Vai doar parte do lucro a instituições de solidariedade porque acredita que boas ações trazem boa sorte. Outra parte servirá para investir em moeda digital e guardar na sua conta do banco. “Felizmente não necessito deste dinheiro, mas é sempre bom porque sou jovem e comecei a investir há pouco tempo na bolsa”, diz João Rosa.

João Rosa lucrou 50 mil euros com a bitcoin. Vai doar parte do dinheiro a instituições de solidariedade.Paula Nunes/ECO

Retorno de 1.600% em ano e meio

Quem investe no emergente mercado das moedas digitais fá-lo ciente de que poderá perder tudo de um dia para o outro. Na verdade, há uma regra de ouro entre quem investe no mercado das moedas virtuais: investir aquilo que se está disposto a perder. E nem mesmo quando o visor do telemóvel aponta para potenciais ganhos de três ou quatro dígitos na sua carteira digital, o lucro é garantido.

O que o visor do telemóvel de Bernardo (nome fictício) mostra é que em ano e meio o seu investimento inicial de 1.000 euros valorizou para 16 mil euros. Mais 1.600% em 18 meses, uma subida que muitos poucos ativos conseguem dar. Vertigens?

“Acima de tudo, acredito na tecnologia. E a minha filosofia não é tanto de trading (compra e venda), mas é mais do famoso hold (manter). Eu tenho as minhas moedas, não faço trading, vou acumulando mais moedas e a minha ideia é, um dia que precise, para comprar uma casa, comprar um carro, o que quer que seja, espero ir lá buscar”, responde este investidor na casa dos 30 anos.

"Acima de tudo, acredito na tecnologia. E a minha filosofia não é tanto de trading (compra e venda), mas é mais do famoso hold (manter). Eu tenho as minhas moedas, não faço trading, vou acumulando mais moedas e a minha ideia é, um dia que precise, para comprar uma casa, comprar um carro, o que quer que seja, espero ir lá buscar.”

Bernardo (nome fictício)

Investidor

Hoje em dia, Bernardo tem a sua carteira repleta de bitcoins, ether, litecoins, monero, IOTA e ripple. Aí está a sua crença na blockchain, a qual é partilhada também por Manuel (nome fictício), trader profissional numa corretora de renome.

A blockchain é o poder de muitas destas moedas virtuais: um sistema tecnológico que regista transações — uma espécie de livro-razão digital transparente e inviolável — que permite aos utilizadores partilharem informação rapidamente e sem qualquer tipo de receio de que seja atacada por piratas. Empresas como a transportadora Maersk, grandes bancos internacionais como o Goldman Sachs ou tecnológicas como a Google já estão a trabalhar nesta área que pode revolucionar o sistema financeiro.

Bitcoin está imparável em bolsa

Fonte: Bloomberg

Por isso, Manuel diz que não investe propriamente na moeda. “O que faço é investir em participações de blockchain que acredito que vão ter um futuro muito risonho nos próximos dois ou três anos”, conta este investidor, cuja curiosidade em torno das moeda digitais se intensificou depois de ver o filme Banking on Bitcoin em março. Foi quando começou por investir em bitcoin e hoje tem mais de 14 moedas na sua wallet digital.

“Cada moeda é uma blockchain que acrescenta valor ao ecossistema. É como se estivéssemos nos anos 90 com a internet. O potencial de aplicação desta tecnologia é gigante. Acredito que a minha carteira de dez mil euros possa ser multiplicada por dez, 20, 30 ou se calhar 100 vezes mais nos próximos anos”, adianta Manuel.

“Acho que podia muito bem colocar o meu telemóvel ‘em coma’ durante dois anos e esperar por uma surpresa”, acrescenta.

Bolha, pirâmide, esquema ponzi

Apesar da experiência enquanto analista e gestor de mercados, Manuel já foi enganado. Comprou moeda digital numa exchange (uma espécie de corretora online) americana que passado algum tempo desapareceu. Ficou-lhe com o dinheiro.

“Temos de estar atentos. Isto é uma coisa nova. Não regulada. Os players do mercado não são regulados, como são os que existem no mercado de ações, por exemplo”, diz este investidor qualificado. “Por exemplo, das mais de 1.300 moedas que hoje existem, 90% delas podem ser esquemas fraudulentos. São os chamados ICO que lançam essas moedas no mercado apenas para ganhar dinheiro”, alerta.

"Cada moeda é uma blockchain que acrescenta valor ao ecossistema. É como se estivéssemos nos anos 90 com a internet. O potencial de aplicação desta tecnologia é gigante. Acredito que a minha carteira de dez mil euros possa ser multiplicada por dez, 20, 30 ou se calhar 100 vezes mais nos próximos anos.”

Manuel (nome fictício)

Investidor

Não têm faltado alertas e avisos dos reguladores para os perigos que estas moedas digitais comportam. Na verdade, elas escapam ao controlo das autoridades oficiais, não há um banco central que lhe confere valor de reserva. Bolha especulativa, esquema ponzi, pirâmides, ICO (Initial Coin Offerings) fraudulentos… há avisos para todos os gostos.

Ainda assim, o perigo de tudo perder não tem afastado os investidores. Pelo contrário. A bitcoin tem registado máximos históricos consecutivos, mas não é a única. Outras moedas mais pequenas, como a dash, cardano ou ripple estão a disparar. E são muitos os que querem aproveitar a onda.

Banking on Bitcoin conta a história da famosa moeda digital

Nas últimas semanas, algumas corretoras de criptomoedas têm enfrentado problemas de sobrecarga dos sistemas, devido à elevada procura por estas moedas virtuais. Bernardo não receia que não venha a conseguir converter o investimento, de volta, em dinheiro físico. “Não fico nada nervoso com isso. É a tal coisa: o dinheiro que lá meti, se o perder, já está definido que está perdido. Por isso, se subir hoje muito e amanhã descer, não me interessa. Isto é, essencialmente, uma visão a longo prazo. Não é para hoje, não é para agora e não é isto que me está a dar dinheiro para ter comida em casa.”

Mas este desprendimento deve-se também porque acredita que poderá mesmo vir a fazer compras diretamente com estas moedas, uma vez que “há cada vez mais comerciantes a aceitarem bitcoins e outras moedas como pagamento”. “Se não conseguir fazer a troca direta para dinheiro, eventualmente vou conseguir comprar bens e materiais com as próprias moedas”, atira Bernardo.

E quanto à visão de futuro, nomeadamente o papel das criptomoedas na economia, partilha da ideia de que vão ser um ativo como o ouro. “O próprio Satoshi [Nakamoto, o criador da bitcoin] chegou a admitir que a bitcoin é muito mais parecida com o ouro do que com uma moeda normal. Tanto que, para isso, existem outras tecnologias mais propícias e mais organizadas para esse tipo de pagamento. A retenção do valor será sempre em bitcoin. Fazer pagamentos será com outra divisa qualquer”, assegura.

Para Manuel, as blockchain que vão sobreviver serão aquelas que vão “permitir uma rápida transação e registo dentro de uma base de dados com os custos mais baixos”. “É algo que não acontece neste momento com a bitcoin. A bitcoin é uma pirâmide e um dia vai ruir”, vaticina.

  • Paula Nunes
  • Fotojornalista

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Este português ganhou 50 mil com a bitcoin. Há mais como ele

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião