Vila Galé investe 6 milhões em hotel em Braga

Hotel de quatro estrelas ficará no edifício do antigo hospital de São Marcos. Obras arrancam para o ano e devem ficar concluídas em 2018.

O grupo Vila Galé vai abrir um hotel de quatro estrelas em Braga, no complexo do antigo hospital de São Marcos, anunciou a cadeia hoteleira, em comunicado enviado esta quinta-feira às redações.

O edifício do antigo hospital, que pertence à Santa Casa da Misericórdia de Braga, estava desocupado desde 2011. O grupo hoteleiro vai agora começar a reabilitar o complexo, num investimento superior a seis milhões de euros, que irá criar 40 postos de trabalho.

Jorge Rebelo de Almeida, presidente do Vila Galé, destaca a importância de “recuperar património histórico e relevante”, que “estava sem aproveitamento”, e, ao mesmo tempo, “dar-lhe um sentido económico viável”. O grupo pretende, ainda, “valorizar a oferta hoteleira de Braga, com um hotel que terá condições para receber diferentes segmentos, desde congressos a turismo e lazer”, refere o administrador, citado em comunicado.

"[Este investimento] será mais uma bandeira numa cidade com grande potencial de crescimento”

Jorge Rebelo de Almeida

Presidente do grupo Vila Galé

Por outro lado, o investimento em Braga representa “uma forma de diferenciar e diversificar” a oferta hoteleira do grupo. “Será um investimento muito importante para Braga e para o grupo, e mais uma bandeira numa cidade com grande potencial de crescimento”, salienta Jorge Rebelo de Almeida.

As obras deverão arrancar no próximo ano e a inauguração está prevista para 2018. Serão 127 quartos duplos, salão de convenções com cerca de 300 metros quadrados, dois restaurantes, bar, adega, biblioteca, piscinas exteriores para adultos e crianças, spa com piscina interior, ginásio, salas de massagens, jardim interior e estacionamento.

Além do hotel em Braga, o grupo Vila Galé está a desenvolver outros três projetos: um hotel de charme na Ribeira, Porto, um resort na Praia de Touros, no Brasil, e um cinco estrelas em Sintra.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vila Galé investe 6 milhões em hotel em Braga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião