Bayer antecipa mais de 10 mil milhões de euros em vendas depois da aquisição da Monsanto

Objetivo da farmacêutica alemã passa por atingir um crescimento anual de vendas na ordem dos 6% até ao final de 2018.

Depois de ter fechado o maior negócio farmacêutico do ano, ao adquirir a Monsanto por 59 mil milhões de euros, é hora de a Bayer rever as metas de crescimento. Só com as vendas dos produtos mais recentes, a farmacêutica alemã espera atingir os 10 mil milhões de euros.

As previsões foram apresentadas aos investidores esta terça-feira, em Colónia, pelo presidente executivo da Bayer, Werner Baumann. “Antecipamos um crescimento particularmente significativo nas vendas e margens do negócio farmacêutico. Este crescimento será motivado pela evolução positiva dos produtos recentemente lançados, para os quais antevemos um potencial de vendas de mais de 10 mil milhões de euros”, adiantou o responsável, lembrando que, antes da aquisição da Monsanto, esta meta estava nos 7,5 mil milhões. Entre estes cinco produtos, está o anticoagulante Xarelto, que, sozinho, deverá totalizar 6,5 mil milhões em vendas.

Werner Baumann, presidente executivo da Bayer (à esquerda) aperta a mão de Hugh Grant, presidente da Monsanto.
Werner Baumann, presidente executivo da Bayer (à esquerda) aperta a mão de Hugh Grant, presidente da Monsanto, depois de fechada a compra da empresa norte-americana por parte da farmacêutica alemã.Bayer AG

O objetivo, detalhou Baumann, passa por atingir um crescimento anual de vendas na ordem dos 6% até ao final de 2018. No final de 2015, as vendas da Bayer, incluindo os negócios farmacêutico e o de radiologia, ultrapassaram os 15,3 mil milhões de euros. Quanto ao EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), o objetivo é aumentar este indicador para 32% a 34% das vendas em 2018, acima dos 30,1% registados no ano passado.

O presidente executivo da Bayer mostrou-se também confiante em relação ao sucesso da empresa para lá dos produtos principais. “Estamos a planear o lançamento de, pelo menos, 20 novos produtos até ao final de 2023”, anunciou, detalhando que a farmacêutica tem “candidatos promissores” em fase de preparação, seis dos quais com um potencial de vendas de 6 mil milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bayer antecipa mais de 10 mil milhões de euros em vendas depois da aquisição da Monsanto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião