Brexit: Bancos devem manter acesso ao mercado único europeu, diz a Moody’s

  • ECO
  • 20 Setembro 2016

O Brexit é um risco para os bancos internacionais sediados em Londres. A Moody's alerta, mas acredita que as instituições conseguirão, ainda assim, manter acesso ao mercado único europeu.

Três meses após do referendo que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia, os bancos internacionais sediados em Londres mantêm a pressão para que seja alcançado um acordo que lhes permita manter o acesso ao mercado único. A Moody’s acredita que esse acesso será mantido, apesar de ficar mais limitado.

Embora a saída do Reino Unido da União Europeia se traduza num travão nos direitos de livre circulação, a Moody’s, num relatório tornado público nesta segunda­-feira, alerta para a existência de meios alternativos para as empresas acederem ao mercado único, bem como o desejo de minimizar o impacto inicial e de preservar os direitos fronteiriços.

O ministro das finanças britânico, Phillip Hammond, afirmou já estar preparado para abrir mão da presença no mercado único para fazer valer as restrições à emigração que incitaram o “sim” no referendo. Do outro lado, os bancos pressionam para que se feche um acordo com a União Europeia, em que os termos de fornecimento de serviços continuem sem alterações, mesmo depois dos dois anos de período de negociação.

A Moody’s afirma também que, mesmo que esta perda de direitos se efetive, o aumento de custos para os bancos seria gerível. Londres, que ocupa a posição de centro financeiro mundial ao albergar não só bancos globais como multinacionais, pode ver esta centralidade ameaçada se o Reino Unido fizer uma saída completa da União Europeia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Bancos devem manter acesso ao mercado único europeu, diz a Moody’s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião