Preço das casas em máximos de seis anos

O índice de preços da habitação, medido pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), avançou pelo terceiro trimestre consecutivo. Já o número de casas vendidas cresceu 30%.

O mercado imobiliário continua a recuperar. Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que os preços das casas atingiram no final do segundo trimestre o valor mais elevado em quase seis anos.

O Índice de Preços da Habitação (IPHab) subiu 6,3%, entre abril e junho deste ano, face ao mesmo período do ano passado. Seria necessário recuar até ao terceiro trimestre de 2010 para ver os preços a que são vendidas as casas em níveis mais altos.

O crescimento dos preços registado foi suportado pelas transações de imóveis usados. Neste segmento, os preços aceleraram em termos homólogos pelo segundo trimestre consecutivo, enquanto nas transações de casas novas foi observada um abrandamento do ritmo de crescimento dos preços pelo segundo trimestre consecutivo.

“No segundo trimestre de 2016, os alojamentos existentes voltaram a evidenciar um acréscimo dos preços superior ao verificado nos alojamentos novos (8,5% e 1,5%, respetivamente)”, refere o INE, acrescentando que “no caso dos alojamentos existentes, a taxa de variação homóloga é a mais alta da série disponível”. O início da série remonta ao ano de 2009.

Casas vendidas crescem 30%

O crescimento global dos preços de venda de imóveis registado no segundo trimestre foi acompanhado por um forte crescimento da venda de imóveis. Nesse período, as transações de casas ascenderam a 31.768, o que corresponde ao número mais alto desde o último trimestre de 2010. Em termos homólogos, o número das vendas de alojamentos aumentou 29,6%.

Do total de transações efetuadas, 26.329 foram relativas a casas usadas, ou seja 82,9% do total. Já a venda de casas novas ascendeu a um total de 5.439. “As transações de alojamentos existentes aumentaram 34,5% e os alojamentos novos 10,2%”, frisa o INE ao concretizar a variação homóloga verificada no segundo trimestre deste ano.

Em termos globais, o total de transações realizadas ascendeu a 3,7 mil milhões de euros, entre abril e junho, um máximo desde o quarto trimestre de 2010. O montante subiu 29,4% em termos homólogos e 8,6%. “Esta dinâmica reflete sobretudo o incremento das vendas de alojamentos existentes”, volta a frisar o INE.

Lisboa em destaque

Em termos geográficos, a Área Metropolitana de Lisboa continua a concentrar o maior volume de vendas de imóveis, correspondente a 35,6% do número de alojamentos transacionados entre abril e junho de 2016 (11.311 transações), o que segundo o INE “representa um acréscimo de 2,3 pontos percentuais face ao observado no mesmo período do ano anterior e um novo máximo para o valor das vendas na série disponível”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço das casas em máximos de seis anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião