Mais de 6.000 pessoas protestam em Bruxelas contra o TTIP e o CETA

  • Lusa
  • 21 Setembro 2016

Manifestantes concentraram-se hoje em frente das instituições da UE em Bruxelas em protesto contra os acordos de comércio internacional que o bloco europeu está a negociar com os EUA e o Canadá.

As manifestações de hoje surgem três dias depois de protestos semelhantes no sábado em várias cidades alemãs, também contra o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), entre a UE e os Estados Unidos, e contra o Acordo Económico e Comercial Global (CETA), este com o Canadá.

Os protestos anti-TTIP nas sete cidades alemãs mobilizaram entre 163 mil e 320 mil pessoas, convocados por uma coligação de Organizações Não Governamentais, partidos de esquerda e sindicatos.

A polícia belga disse à AFP que a manifestação reuniu mais de seis mil pessoas em Bruxelas, cortando a circulação automóvel na maioria das principais avenidas que levam ao edifício da Comissão Europeia.

“TTIP, CETA, não os queremos”, gritavam os manifestantes enquanto os helicópteros da polícia sobrevoavam o cortejo.

O agricultor Stephane Delogne considerou que os acordos “serão um choque para a agricultura”. Com a certeza de que os agricultores europeus serão “os grandes perdedores”, garantiu.

A UE e os Estados Unidos começaram a negociar o TTIP em 2013, visando a criação do maior mercado de livre comércio do mundo, com mais de 850 milhões de consumidores. No entanto, as negociações atrasaram-se à medida que os cidadãos dos 28 começaram a recear que o acordo poderia fazer baixar os padrões regulatórios comunitários no que diz respeito a saúde, entre outros.

Em outubro haverá uma nova ronda negocial, com o Presidente norte-americano, Barack Obama, esperançado em concluir um acordo antes de terminar funções, em janeiro de 2017.

A comissária europeia para o Comércio, Cecilia Malmstroem, alertou hoje que “é cada vez menos provável” que tal aconteça até ao fim desse prazo.

“Haverá um tratado com os Estados Unidos, mas se calhar apenas depois de uma pausa natural para dar tempo a que haja uma nova administração norte-americana”, disse a comissária a uma rádio belga.

Malmstroem também defendeu o acordo com o Canadá, que já foi negociado e que deverá ser assinado em outubro.

Mas resistências ao acordo no seio da União Europeia obrigam agora a que o tratado seja ratificado nos parlamentos nacionais, o que poderá levar meses ou anos a conseguir.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 6.000 pessoas protestam em Bruxelas contra o TTIP e o CETA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião