China aposta mais nas empresas estrangeiras

  • Lusa
  • 22 Setembro 2016

O investimento chinês no estrangeiro superou pela primeira vez em 2015 o valor investido por outros países na China, o que faz parte da transição para um novo modelo económico.

O investimento chinês além-fronteiras superou, em 2015, pela primeira vez, o valor investido por outros países na China, numa altura em que Pequim encoraja as aquisições no estrangeiro, como parte da transição para um novo modelo económico.

A China investiu, no total, 145.000 milhões de dólares fora do país, no ano passado, um valor que representa um crescimento homólogo de 18% e ultrapassa o valor do investimento direto estrangeiro no país – 135,6 mil milhões de dólares, segundo dados do ministério do Comércio chinês.

O marco surge como resultado da “melhoria da capacidade nacional da China“, aprofundamento da cooperação, e a estratégia de Pequim de encorajar empresas chinesas a “tornarem-se globais”, lê-se no relatório do ministério.

As empresas chinesas “têm de usar os recursos e mercados internacionais para se transformarem e atualizarem”, afirmou Zhang Xiangchen, porta-voz do ministério do Comércio.

“Sentimos que as empresas estão agora interessadas em se internacionalizarem e procurarem ativamente a integração na inovação, manufatura e mercados globais”, acrescentou.

A economia chinesa registou no ano passado o ritmo de crescimento mais baixo dos últimos 25 anos e tem continuado a abrandar, à medida que Pequim enceta uma transformação do modelo económico, apostando no consumo e serviços como novos motores de crescimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China aposta mais nas empresas estrangeiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião