Selfie com Hillary Clinton torna-se viral

Uma sala cheia de apoiantes da candidata democrata virou as costas à... candidata democrata. É o reflexo da era das redes sociais em que todos tentam captar a selfie com Hillary Clinton.

Hillary Clinton entra numa sala cheia de apoiantes à sua candidatura à presidência da maior economia do mundo, os EUA. Mas em vez de estarem todos virados para a candidata democrata, viraram-lhe as costas. Tudo para apanhar a selfie perfeita.

O momento foi captado pela lente de Barbara Kinney, uma das fotógrafas da campanha de Hillary Clinton. Rapidamente, a fotografia que mostra a multidão de telemóvel no ar e costas viradas para a candidata democrata tornou-se viral.

A partilha da foto feita por @victomato já conta com 17.000 gostos e mais de 16.000 partilhas, estando a ser utilizada como um exemplo da geração selfie na campanha eleitoral dos EUA.

Esta foto deste momento da campanha de Hillary Clinton foi tirada em Orlando, na Florida, antes daquele que será o primeiro debate televisivo entre a candidata democrata e o republicano Donald Trump.

Hillary e Trump vão estar durante 90 minutos, sem direito a intervalo, a debater as suas ideias para os EUA. O debate televisivo, considerado um dos primeiros testes à popularidade dos candidatos, acontece esta madrugada na Universidade Hofstra, em Nova Iorque, devendo captar a atenção de 100 milhões de telespetadores.

Os dois candidatos estão agora empatados na corrida à liderança dos EUA. Se até recentemente Hillary Clinton estava à frente, a sondagem do The Washington PostABC News, Clinton e Trump estão empatados com 41% de apoio entre os eleitores. As eleições acontecem a 8 de novembro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Selfie com Hillary Clinton torna-se viral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião