Migrantes podem aumentar em 2% PIB per capita dos países que os recebem

  • Lusa
  • 27 Setembro 2016

Os países anfitriões podem ficar a ganhar se conseguirem integrar com sucesso os migrantes que receberam, diz o FMI

Um aumento de um ponto percentual da participação dos migrantes na população ativa do país recetor pode aumentar o Produto Interno Bruto (PIB) per capita em dois pontos percentuais no longo prazo, segundo um relatório divulgado hoje pelo FMI.

“A migração melhora o PIB per capita dos países anfitriões por impulsionar o investimento e por aumentar a produtividade laboral”, um aumento que pode chegar aos dois pontos percentuais de crescimento a mais por cada ponto percentual extra na participação dos migrantes na população ativa do país, conclui o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Num dos capítulos analíticos do World Economic Outlook (WEO), divulgados hoje, e que aborda os impactos da migração nas economias, o FMI defende que “os migrantes podem impulsionar a força de trabalho e ter um impacto positivo no crescimento e nas finanças públicas no médio prazo, especialmente nos países com populações envelhecidas”. No entanto, alerta a instituição liderada por Christine Lagarde, a migração – que, a nível internacional, é dominada (95%) por migrantes económicos, mas que inclui também refugiados (5%), apresenta desafios nos países de origem e de chegada.

Nos países de origem, a saída dos jovens e dos trabalhadores mais qualificados pode prejudicar o crescimento no longo prazo: “A perda de capital humano traduz-se em menos produtividade, menos qualificações e menos receitas fiscais”, alerta o FMI. Já nos países que recebem migrantes, as chegadas podem provocar “tensão social, preocupações de segurança e até repercussões políticas”, avisa o Fundo.

No entanto, o FMI sublinha que a migração “pode oferecer ganhos económicos, trazendo mais crescimento e produtividade”, bem como “oferecer algum alívio” aos países com população envelhecida, uma vez que há uma predominância dos migrantes em idade ativa. “Com o passar do tempo, dado o impacto na população ativa e na atividade económica, os migrantes podem gerar mais receita fiscal e contribuições socais”, refere o Fundo.

Para o FMI, a chave para alcançar estes objetivos é “uma integração rápida” dos migrantes no mercado de trabalho e, por isso, aponta que são necessárias “melhores políticas de trabalho, acesso à educação e apoio à iniciativa dos migrantes”. O Fundo deixa um aviso aos países que recebem refugiados: “A incerteza quanto à situação legal dos refugiados pode atrasar a entrada no mercado de trabalho, [uma vez que] enquanto as candidaturas de pedido de asilo estão a ser analisadas, os refugiados enfrentam barreiras legais ao emprego”.

“Mas a integração leva tempo, especialmente no caso dos refugiados, o que significa que haverá um atraso antes que comecem a contribuir para as contas públicas”, admite o FMI.

Ainda assim, “embora tenha algum custo no curto prazo, acrescentando pressão orçamental nos países anfitriões”, a instituição defende que estas políticas “podem ajudar os migrantes a conseguirem – e manterem – um trabalho, a contribuírem cada vez mais e, com mais e melhor integração social, para diminuir as tensões sociais”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Migrantes podem aumentar em 2% PIB per capita dos países que os recebem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião