Miró vai descansar finalmente no Porto

Depois de uma nacionalização, uma tentativa fracassada de venda cheia de polémica e processos judiciais em curso, os quadros do artista espanhol Joan Miró vai finalmente poder descansar no Porto.

São 84 obras de arte plástica que sobem ao Porto a partir desta sexta-feira e por lá vão ficar. Esta foi a garantia dada pelo primeiro-ministro em Lisboa na abertura da III Cimeira do Turismo Português. O objetivo é “consolidar” a invicta como uma cidade de turismo cultural.

Com esta decisão, o Porto vai ser a casa do maior conjunto de obras mundial do artista espanhol Joan Miró, que é detido pelo Estado desde que o BPN foi nacionalizado, em 2008. A ida ao Norte antecipa-se com a exposição “Joan Miró: Materialidade e metamorfose” este fim de semana no Museu Serralves, mas a estadia vai ser permanente. O anúncio foi feito por António Costa esta terça-feira, no Museu do Oriente, em Lisboa, num evento para assinalar o Dia Mundial do Turismo.

Este era um dos objetivos do Bloco de Esquerda, partido que faz parte do acordo de incidência parlamentar. Tanto que, em julho, uma comitiva do BE foi recebida pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, para avaliar potenciais espaços para acolher a coleção de Mirós. O objetivo foi alcançado, mas ainda não foi revelado qual o espaço onde vão, finalmente, descansar os quadros de Joan Miró.

EPA/WALTER BIERI
EPA/WALTER BIERI

Certa é a aposta na cultura, garantiu António Costa, que já mudou de ministro da Cultura, com a saída de João Soares e a substituição por Luís Castro Mendes. Esta é também a prioridade do Presidente da República, com quem o primeiro-ministro vai visitar, esta sexta-feira, a exposição temporária, que vai ficar na Fundação Serralves pelo menos até janeiro do próximo ano. No início do mês, Marcelo Rebelo de Sousa organizou a Festa do Livro, em Belém, com o consultor cultural Pedro Mexia.

Editado por Paulo Moutinho

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miró vai descansar finalmente no Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião