O futuro da economia dos EUA depende do México

  • Bloomberg
  • 27 Setembro 2016

A força por trás da expansão econômica dos EUA é igual à fraqueza da recuperação e se resume a uma palavra: México.

Desde o nível mínimo registado em dezembro de 2009, a população ocupada nos EUA aumentou em 13,6 milhões de trabalhadores. Deste crescimento, 43%, ou 5,9 milhões de trabalhadores, são pessoas de origem hispânica — alguns nascidos nos EUA e também imigrantes. O México é, de longe, o maior país de origem dos imigrantes hispânicos nos EUA. A migração líquida da América Latina desde a recessão foi mínima (o número de mexicanos que foram embora é maior do que o total que entrou no país), e isso pode ser visto mais como um “dividendo demográfico” da imigração hispânica nas décadas de 1980, 1990 e 2000. Mais hispânicos estão a entrar nos seus melhores anos de atividade ou são jovens demais para se aposentar, em contraste com a decrescente mão de obra de americanos brancos sem origem hispânica. Excetuando-se os hispânicos, a mão de obra dos EUA está praticamente estável desde 2008.

Trabalhadores também são consumidores. De 2012 a 2015, as famílias latinas representaram uma fatia significativa do crescimento das despesas agregadas. No futuro, seu impacto no consumo provavelmente será maior do que o causado pelos integrantes da geração Y ou da geração nascida após a Segunda Guerra Mundial.

Os estados onde a população hispânica é menor têm economias que, na melhor das hipóteses, enfrentam uma quebra controlada, assim como a Europa e o Japão. Michigan, estado muito industrial, tem uma das menores populações hispânicas dos EUA: 4,6% do total em 2012. A sua mão de obra está do mesmo tamanho que 22 anos atrás. A taxa de desemprego é de 4,5%, o valor mais baixo desde 2001, e os empregadores têm dificuldades em encontrar funcionários.

Daí que não surpreenda que uma empresa como a Ford, com sede em Michigan, tenha anunciado no mês passado que transferirá toda a produção de carros pequenos de Michigan para o México porque, com margens de lucro apertadas e escassez de mão de obra, não é rentável produzir em Michigan. Nove das 11 novas fábricas de automóveis construídas na América do Norte desde 2011 estão no México.

Essa mudança para o exterior não é necessariamente má notícia para os trabalhadores do setor automóvel de Michigan. A Ford vai relocalizar a mão de obra doméstica para fabricar produtos de maior valor, como camiões e desportivos.

Os estados de rápido crescimento do sul e do oeste, que têm população mais diversificada, e os estados de lento crescimento do nordeste e do centro-oeste, onde a população é maioritariamente branca, terão desafios diferentes em relação à mão de obra na próxima geração, mas em ambos os casos o México terá que ser parte da solução.

No sul e no oeste, o desafio será encontrar trabalhadores suficientes para a construção da moradia e da infraestrutura necessárias e também para as atividades do setor de serviços exigidas por uma economia em crescimento. No nordeste e no centro-oeste, onde a mão de obra está diminuindo e a população está envelhecendo, as opções são importar trabalhadores para preencher a lacuna do mercado ou exportar parte do trabalho, como a Ford fez, para liberar a mão de obra reduzida para outras tarefas.

Os estados de rápido crescimento do sul e do oeste, que têm população mais diversificada, e os estados de lento crescimento do nordeste e do centro-oeste, onde a população é maioritariamente branca, terão desafios diferentes em relação à mão de obra na próxima geração, mas em ambos os casos o México terá que ser parte da solução.

Por que é que o México fornece uma parte tão importante da mão de obra para a economia dos EUA — tanto dentro do país quanto ao sul da fronteira? Porque é um dos poucos países do mundo com o perfil demográfico e geográfico para atender às necessidades de mão de obra de um país tão grande e dinâmico como os EUA. O México tem a décima maior população do mundo, ainda tem uma crescente força de trabalho jovem e fica ao lado dos EUA. E também porque já existem vínculos culturais bem estabelecidos entre o México e muitas partes dos EUA, além de acordos comerciais vigentes.

E por último, a curto prazo, o México é a única alternativa. Desde a Segunda Guerra Mundial, quando agricultores mexicanos foram para os EUA para atender à procura dos tempos de guerra, o México sempre foi a resposta automática para qualquer escassez de mão de obra nos EUA. A imigração de trabalhadores altamente capacitados oriundos da China e da Índia é ótima, mas dificilmente poderá suprir a falta de mão de obra na construção ou no setor de alimentação. E, considerando-se a resistência política à imigração mesmo de um antigo aliado como o México, é difícil imaginar apoio popular à imigração em massa de qualquer outro lugar.

Quando se trata da mão de obra dos EUA e quando se trata de empresas dos EUA transferindo empregos para o exterior, o futuro da economia dos EUA provavelmente será “hecho en México”.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial da Bloomberg LP ou de seus proprietários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O futuro da economia dos EUA depende do México

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião