Catarina Martins quer aumento “real” das pensões em 2017

  • Lusa
  • 30 Setembro 2016

"Um aumento de 60 cêntimos numa pensão é muito mais um insulto do que um descongelamento", afirmou a líder bloquista.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, defendeu na quinta-feira à noite o aumento “real” das pensões no Orçamento de Estado para 2017 (OE2017) porque é uma medida de “elementar justiça” e de “impacto significativo”.

“É preciso dizer com honestidade que quem trabalhou uma vida e descontou para uma pensão, que hoje é tão baixa, de facto ainda não viu qualquer diferença porque um aumento de 60 cêntimos numa pensão é muito mais um insulto do que um descongelamento”, afirmou durante uma sessão pública, em Matosinhos, distrito do Porto. A bloquista espera que o Orçamento de Estado seja capaz de “aumentos reais” nas pensões e que façam a diferença para quem trabalhou toda uma vida.

“Para o BE, em boa medida, a prova dos nove que este orçamento trará é se é ou não capaz de aumentar de forma significativa e real as pensões que mais dificilmente chegam até ao final do mês”, salientou. Catarina Martins lembrou que “infelizmente” há muitos pensionistas que são os “pilares da família” porque o desemprego bateu à porta dos filhos ou netos. E entendeu: “Os pensionistas foram particularmente esquecidos estes anos. Além de não terem tido um cêntimo de aumento no governo de direita viram o custo de vida aumentar todos os anos”.

A prova dos nove que este orçamento trará é se é ou não capaz de aumentar de forma significativa e real as pensões que mais dificilmente chegam até ao final do mês.

Catarina Martins

Dirigente do Bloco de Esquerda

A discussão sobre o aumento das pensões será um “combate complicado” se dirá que é demasiado para as possibilidades do país, mas será mesmo, questionou. “Será que um país que tem sido tão generoso para com o sistema financeiro não é capaz de um esforço para aumentar as pensões”, interrogou ainda.

A coordenadora do BE acredita que não há ninguém que seja capaz de dizer abertamente que é errado pedir um “pequeníssimo” esforço a um por cento de que tem fortunas imobiliárias para aumentar mais de um milhão de pensionistas pobres.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins quer aumento “real” das pensões em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião