Desinteresse do CaixaBank no Novo Banco pode ser tático?

"É muito pouco provável que o La Caixa não queira mesmo o Novo Banco", garantem fontes próximas ao processo. O BPI mantém-se na corrida.

A oposição do CaixaBank à compra do Novo Banco, por parte do BPI, pode ser tática, assumindo-se como uma uma estratégia negocial por parte dos catalães de modo a pressionar o Banco de Portugal e, por conseguinte, o preço da operação. Mas fontes contactadas pelo ECO, muito próximas ao processo, adiantam que “é muito pouco provável que o La Caixa não queira mesmo o Novo Banco”. É preciso capital.

A notícia, avançada pelo Bloomberg, que dá conta de que o CaixaBank poderá bloquear a ida do BPI ao Novo Banco, surgiu como um entrave à expectativa criada pelo fim do limite de votos aprovado na assembleia de acionistas, realizada a 21 de setembro, no Porto. A notícia, citando fontes anónimas, dá conta de que responsáveis do CaixaBank terão dito aos acionistas que se irão opor à compra do Novo Banco, quando assumirem a liderança do BPI.

A noticia contraria as declarações do próprio presidente do BPI, Artur Santos Silva, proferidas depois da assembleia geral, garantindo que a administração do banco estava a estudar seriamente o dossiê. Santos Silva diria mesmo que “estamos a estudar seriamente a opção. Com o aspeto que ficou hoje resolvido [a desblindagem], isto permite tomar posições porque o banco já não está bloqueado”.

"Estamos a estudar seriamente a opção. Com o aspeto que ficou hoje resolvido [a desblindagem], isto permite tomar posições porque o banco já não está bloqueado.”

Artur Santos Silva

A afirmação de Santos Silva é tanto mais relevante na medida em que são conhecidas as boas relações entre o presidente do BPI e o principal acionista da instituição portuguesa, o CaixaBank.

Já o CaixaBank optou por não confirmar nem desmentir a notícia da Bloomberg, limitando-se a uma declaração oficial afirmando que a prioridade é o BPI e que não faz sentido falar no Novo Banco. Aliás, posição semelhante à defendida pelo presidente executivo do CaixaBank, Gonzalo Gortázar que em julho passado já tinha adiantado que a prioridade era o BPI.”Primeiro temos que concluir a OPA sobre o BPI”, adiantou.

De resto, no dia em que os estatutos do BPI foram desbloqueados o presidente executivo dos catalães afirmava em Madrid que o “setor bancário não está em época de aquisições transfronteiriças“. Gonzalo Gortázar afirmou mesmo que a aquisição do BPI era uma exceção na estratégia de internacionalização do CaixaBank, tendo justificado a aposta com a boa gestão do BPI e com a relação de mais de vinte anos que marca as duas instituições.

 

Fontes conhecedoras do processo adiantaram ao ECO que “o fato do BPI não avançar para o Novo Banco acarreta um problema de dimensão ao próprio BPI, o que eventualmente não será bom para o CaixaBank”. Porém as mesmas fontes reconhecem que o próprio CaixaBank está pressionado em termos de capital e que uma ida ao Novo Banco poderá implicar a necessidade de um aumento de capital da instituição catalã.

O CaixaBank comunicou ao mercado que vendeu 9,9% do capital, através da venda de ações próprias, para financiar a OPA do BPI. O CaixaBank detém 45% do capital do BPI e para ficar com a totalidade do capital do banco terá que despender cerca de 900 milhões de euros.

Governo prefere BPI

O fim da desblindagem dos estatutos do BPI foi bem encarado pelo Banco de Portugal. O banco liderado por Carlos Costa viu na clarificação acionista do BPI uma forma do banco de Ulrich melhorar a proposta de compra do Novo Banco. Aliás, o próprio Governo tinha o BPI como preferido na corrida ao Novo Banco, segundo dava conta o Expresso em agosto. A vantagem, segundo o executivo de António Costa, era o facto de o banco passar a ser liderado por uma instituição já presente no mercado e com uma perspetiva de investimento de longo prazo.

O processo de venda do Novo Banco está a entrar numa fase decisiva, devendo os interessados — quatro contando com o BPI — entregar nas próximas semanas as propostas vinculativas. Na corrida estão o BPI, o BCP, a Lone Star e a Apollo/Centerbridge.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desinteresse do CaixaBank no Novo Banco pode ser tático?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião