Este restaurante vai usar o relógio da Apple

Um relógio para monitorizar os clientes: é esse o objetivo deste restaurante de Nova Iorque que vai começar a usar o Apple Watch.

Telemóvel na mão direita e garfo na mão esquerda, a atenção está toda nas redes sociais. Se a maior parte dos restaurantes está a apostar no ‘detox digital’, o dono da cadeia Union Square Cafe 2.0 (USHG), Danny Meyer — fundador da cadeia de hamburguerias ShakeShack –, vai trazer o Apple Watch para dentro da sala de jantar.

Num restaurante conhecido pela hospitalidade humana, poderá o relógio da Apple congelar os laços humanos? Neste restaurante nova iorquino não existe, por exemplo, o hábito da gorjeta, algo muito enraizado na cultura norte-americana mas estranha para os europeus, conta o inglês The Guardian. E mesmo com a introdução desta tecnologia, o grupo USHG não quer comprometer essa ligação com o cliente.

A tecnologia será sentida, não vista. Quem o diz é a vice-presidente para a tecnologia da empresa, Maureen Cushing. Como? É que os relógios vão ser conectados com uma aplicação que terá integrado o sistema de venda do restaurante. Desta forma, os gerentes de cada restaurante vão poder monitorizar várias estatísticas relacionadas com os clientes.

São várias as possibilidades: saber durante quanto tempo os clientes estão sentados numa mesa, há quanto tempo estão a aguardar pela comida ou poder pedir a um empregado para ir buscar o casaco do cliente.

Além disso, os sommeliers vão conseguir identificar melhor onde podem ir buscar certa garrafa. Os relógios só vão ser utilizados pelos gerentes.

Cada utilizador vai ter um perfil com preferências, alergias ou pedidos anteriores feitos nesse restaurante.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este restaurante vai usar o relógio da Apple

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião