Barclays: “Europa é uma oportunidade de compra”

  • Rita Atalaia
  • 18 Outubro 2016

O banco acredita que as ações europeias têm margem para subir até ao final do ano. Independentemente da decisão da Fed sobre as taxas de juro, o Barclays diz que a Europa é uma oportunidade de compra.

Os investidores devem comprar ações europeias, independentemente de a Reserva Federal dos EUA subir ou não as taxas de juro nos próximos três meses. A conclusão é do Barclays, que acredita que os títulos têm margem para subir até ao final do ano.

“As ações da região, que sofreram uma queda acentuada de 6,8% em 2016, têm margem para subir até ao final do ano, caso os resultados financeiros continuem estáveis”, de acordo com Dennis Jose, responsável pela estratégia para as ações europeias do Barclays, em Londres, citado pela Bloomberg.

"As ações da região, que sofreram uma queda acentuada de 6,8% em 2016, têm margem para subir até ao final do ano, caso os resultados financeiros continuem estáveis”

Dennis Jose

Responsável pela estratégia para as ações europeias do Barclays

Com um alvo para o final do ano de 360 pontos para o Stoxx 600, o banco é o segundo mais otimista entre as 10 previsões compiladas pela Bloomberg. “Neste momento, a Europa é uma oportunidade de compra“, diz o responsável.

“Mesmo que a Fed aumente [as taxas de juro], quando analisamos a quantidade de apoio prestado pelo Banco do Japão, Banco Central Europeu, Banco Popular da China, e mesmo da Fed, onde as taxas ainda estão bastante baixas, o cenário geral continua a oferecer muito apoio aos mercados acionistas“, refere Dennis Jose.

Os investidores estão a analisar atentamente os dados económicos dos EUA e declarações de responsáveis de política monetária. A especulação em torno das taxas tem agitado as ações europeias, já que há dúvidas de que a maior economia do mundo consiga gerir custos de financiamento mais elevados. Os traders descontam uma probabilidade de 66% de a Fed subir as taxas em dezembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Barclays: “Europa é uma oportunidade de compra”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião