Adicional do IMI garante Segurança Social por mais seis anos até década de 40

  • Lusa
  • 20 Outubro 2016

O primeiro-ministro garante que o imposto vai permitir garantir o pagamento das pensões futuras. O adicional de IMI será "integralmente afeta ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social".

O secretário-geral socialista defendeu hoje que o adicional do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) de valor patrimonial superior a 600 mil euros assegura a sustentabilidade do Fundo de Equilíbrio Financeiro da Segurança Social por mais seis anos.

António Costa falava na sessão de esclarecimento sobre a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2017, no Teatro de São Luiz, em Lisboa, quando justificava as razões de o executivo ter criado o novo imposto aplicável a património de elevado valor.

Perante uma plateia de militantes socialistas, o primeiro-ministro começou por frisar que a receita deste adicional de IMI será “integralmente afeta ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social.

“Não se trata por isso de uma receita que se cobra um adicional ao IMI para pagar o aumento das pensões. Esse adicional ao IMI é para fortalecer o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, que garante não o pagamento das pensões em 2017, mas que, antes, garante o pagamento das pensões futuras“, sustentou.

Mas o primeiro-ministro foi ainda mais longe na sua estimativa sobre o impacto do novo imposto, dizendo que a receita gerada pelo adicional do IMI “permite alargar em seis anos o equilíbrio do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, passando agora para mais de metade da década de 40 deste século“.

“Se formos encontrando formas de ir diversificando as fontes de financiamento, iremos também alargando o prazo de sustentabilidade da Segurança Social. Garantimos assim que não haverá desequilíbrios e, igualmente, que os impostos do dia-a-dia não têm que estar a reforçar a Segurança Social. A Segurança Social não pode ser sustentada apenas pela relação do trabalho“, acrescentou o secretário-geral do PS, numa alusão ao programa eleitoral apresentado pelo seu partido.

Sabia que…

Dia Europeu da Estatística / Fonte: INE
Dia Europeu da Estatística / Fonte: INE

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Adicional do IMI garante Segurança Social por mais seis anos até década de 40

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião