Está tudo pronto para o governo em Espanha? Talvez não…

  • Ana Luísa Alves
  • 24 Outubro 2016

Pode não estar tudo decidido em Espanha.

O governo em Espanha pode não estar pronto para avançar, como se pensava, mesmo depois de o PSOE ter dito que se vai abster na segunda votação de investidura para fazer de Mariano Rajoy o próximo primeiro-ministro.

“Há um mandato imperativo do Comité Federal” para que todos os deputados do PSOE se abstenham para tornar Mariano Rajoy presidente e evitar assim novas eleições. “Os deputados do grupo socialista deverão abster-se literalmente do processo de decisão”, referiu em conferência de imprensa um deputado do partido.

O líder provisório do PSOE, que esta terça-feira vai encontrar-se com o rei Filipe de Espanha para comunicar a troca de posição do seu partido, e se propõe usar o seu tempo até ao dia da votação a “persuadir” todos os deputados que pretendam votar “não” a Rajoy na decisiva votação. Férnandez, tal como outros dirigentes do partido, argumentam que o Comité Federal é o órgão máximo e que às suas ordens não se pode desobedecer, ou de outro modo as consequências podem vir a ser graves, segundo refere o El Español.

Mas esta decisão não agrada à maioria dos membros socialistas espanhóis.

O secretário dos socialistas catalães, Miquel Iceta, a presidente da Baleares, Francina Armengol, o líder dos socialistas castelhano-leoneses, Luis Tadunca, a secretária-geral do PSOE de Madrid, Sara Hernández, e não só, coincidem e reclamam à direção para que evite a dureza e seja flexível com os deputados que queiram votar “não” a Rajoy, porque essa foi uma das promessas com que o PSOE se apresentou às eleições.

Ao encontro desta informação, o El Mundo acrescenta que também os críticos destacaram que este domingo foi “um dia muito triste para o PSOE” porque decidiram dar “um passo atrás”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Está tudo pronto para o governo em Espanha? Talvez não…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião