Cinco livros para gerir as suas finanças

Nunca é tarde para aprender a gerir as suas finanças. Para o ajudar, o ECO preparou um pequena lista com alguns livros que lhe dão pistas sobre como o fazer da forma mais eficiente.

Livros há muitos. E de finanças pessoais, também. Mas alguns são mais essenciais que outros. O ECO preparou uma pequena lista de obras que vale a pena ler. São livros que vão ajudá-lo a mudar a forma de pensar em dinheiro, a repensar a forma como o gere e também ensiná-lo a poupar.

Um vizinho milionário

Conhece algum milionário? Provavelmente a resposta será que não. Que nunca trocou nenhumas palavras como Américo Amorim, Belmiro de Azevedo ou Alexandre Soares dos Santos. Mas pode estar enganado. Por vezes, O milionário mora ao lado. Esta obra de William D. Danko e Thomas J. Stanley mostra isso mesmo. Baseada num inquérito feito nos EUA em meados da década de 90, os autores revelam que os milionários nem sempre são pessoas com elevados rendimentos. O truque para serem milionários está na forma como gerem o dinheiro. O livro revela-lhe quais são as suas profissões e ocupações, onde fazem compras, como fazem investimentos, e como ficaram ricos. Uma leitura interessante com muitas dicas que poderá adotar.

o_milionario_mora_ao_lado

 

  • O milionário mora ao lado

  • Editora: Manole
  • Preço: 23,32 euros (Bertrand)

 

Siga os conselhos de um pai… rico

Os pais são fundamentais na educação dos filhos. Seja no relacionamento com os outros, em sociedade, seja no desenvolvimento profissional e, claro, na gestão do seu dinheiro. Pai rico, pai pobre, um dos clássicos no mundo das finanças pessoais, parte de dois pais para nos falar da diferença de visão sobre o mundo do dinheiro. De um lado, Robert Kiyosaki, o autor, apresenta-nos um pai que segue a lógica da generalidade das pessoas, apostado no investimento nos estudos, na evolução profissional e na lógica da poupança convencional. Do outro, dá-nos a conhecer um pai rico. Um pai que sublinha a importância de gerir o dinheiro, de ir criando riqueza mesmo quando não se tem rendimentos muito elevados. E de como por esse dinheiro a trabalhar por nós.

 

  • Pai rico, pai pobre

  • Editora: Vogais
  • Preço: 16,59€ (Fnac.pt)

 

Fazer primeiro, pensar depois? Não

É uma obra imprescindível para quem quer ter as suas finanças sob controlo. Não vai dizer-lhe como deve fazê-lo, mas antes ensiná-lo a refletir antes de tomar determinadas decisões no mundo financeiro. Pensar, depressa e devagar, é um livro escrito por um psicólogo, Daniel Kahneman, que foi distinguido com o Prémio Nobel da Economia em 2002 pelo seu trabalho fundamental em psicologia que questionou o modelo racional de tomada de decisões e de formulação de juízos. Baseado em experiências reais, Kahneman demonstra como o ser humano não é sempre racional no que toca aos princípios básicos da economia. É para ler devagar.

pensardepressadevagar

  • Pensar, depressa e devagar

  • Editora: Temas e Debates
  • Preço: 19,60€ (Wook.pt)

 

Guia para as suas finanças

Procura abordar todos os temas que precisa de conhecer para organizar as suas finanças pessoais, mas traz-lhe mais do que isso. Além de ensinar a fazer um orçamento, a gerir o dinheiro, a procurar soluções para gastar menos, o Manual das Finanças Pessoais, abre-lhe também a porta para o mundo dos investimentos. Nesta obra, Ricardo Ferreira e João Pessoa Jorge procuram preparar os leitores para darem início a um processo de investimento sólido e consistente. Encontrará noções sobre o perfil de investidor, a importância da gestão do risco nos investimentos, mas também a explicação para o vasto leque de ativos em que pode investir: desde os produtos mais simples, como os depósitos, passando pelos de mais risco, com as ações, até aos mais complexos. E, claro, sem esquecer a importância da diversificação das carteiras.

manual-das-financas-pessoais

  • Manual das Finanças Pessoais

  • Editora: Arcádia
  • Preço: 10,95€ (Wook.pt)

 

Fazer contas à poupança

Contas Poupança é uma rubrica televisiva com mais de cinco anos. Nasceu pela mão de Pedro Andersson que ao longo destes anos foi apresentando aos portugueses variadíssimas reportagens com dicas de poupanças, mas também os direitos que assistem a todos os consumidores. O sucesso das reportagens emitidas na SIC passou recentemente do pequeno ecrã para um livro onde o autor promete dicas para pagar menos impostos, reduzir as despesas mensais com água, luz e gás, baixar a prestação do crédito à habitação, evitar comissões bancárias, mas também para pôr o seu dinheiro a render mais. São dicas muito práticas, suportadas em casos reais, que valem a pena conhecer nesta obra editada pela Contraponto.

contaspoupanca

  • Contas Poupança

  • Editora: Contraponto
  • Preço: 12,96€ (Wook.pt)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinco livros para gerir as suas finanças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião