Poupança já não está negativa mas riscos mantêm-se

  • Margarida Peixoto
  • 31 Outubro 2016

No primeiro trimestre deste ano, as famílias gastaram tudo o que tinham disponível, e ainda mais. Mas entre abril e junho retomaram a poupança. O risco já passou?

Nos primeiros três meses deste ano, a poupança das famílias ficou negativa. Ou, por outras palavras, as famílias não pouparam nada — gastaram tudo o que tinham disponível, e ainda mais. O episódio foi único na história deste indicador, no segundo trimestre a poupança regressou. Mas o que é que isto quer dizer sobre a saúde financeira da economia?

Entre janeiro e março deste ano, o valor da poupança bruta foi negativo: ficou em -299 milhões de euros. Quer dizer que neste trimestre as famílias recorreram ao crédito, ou mobilizaram poupanças, para consumir para lá dos seus rendimentos líquidos nesse trimestre. A taxa de poupança ficou assim negativa: -0,9%.

A situação foi pontual: não se deteta tampouco se a análise for feita como mandam as boas regras da estatística, em médias móveis de quatro trimestres, para suavizar as variações esporádicas e detetar melhor a tendência. Mas a verdade é que nunca tinha acontecido haver um valor negativo, desde, pelo menos, o quarto trimestre de 1999.

Depois, no segundo trimestre deste ano, o valor da poupança voltou a positivo: ficaram por gastar mais de dois mil milhões de euros e a taxa de poupança do trimestre recuperou para 5,7%. Contudo, o problema não desapareceu. Vale a pena olhar para o gráfico da série longa, construído com base no ano terminado em cada trimestre:

Taxa de poupança está em mínimos históricos

margarida-01

Fonte: INE

“A taxa de poupança está em níveis baixíssimos”, frisa Teresa Gil Pinheiro, economista do departamento de research do BPI. Nos últimos trimestres, “caiu para níveis históricos”, nota. No ano terminado em junho, a taxa de poupança ficou em 3,4%, o valor mais baixo desde 1999, à exceção do registado, precisamente, no ano terminado em março.

O Instituto Nacional de Estatística explica que no primeiro trimestre de 2016 houve um movimento de antecipação de compra de automóveis, justificado pela expectativa de subida dos impostos sobre estes bens, com a entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2016.

Além disso, lembra Teresa Gil Pinheiro, havia em simultâneo a expectativa de aumento dos rendimentos, por causa da reposição progressiva dos salários aos funcionários públicos e da redução da sobretaxa de IRS. Ou seja, as famílias ainda não tinham começado a ganhar mais, mas começaram logo a gastar mais.

É prudente? “Não”, responde a economista. O perigo são as pedras no caminho, isto é, eventuais alterações de rendimento. As famílias com poupanças curtas ficam mais vulneráveis a situações de desemprego ou, no longo prazo, aos efeitos negativo da subida dos juros. “Neste momento é um cenário pouco provável mas, se houver uma subida dos juros, ou os rendimentos crescem ao mesmo ritmo, ou o rendimento disponível encolhe”, explica.

De entre os países da União Europeia para os quais há dados, Portugal destaca-se como um dos que apresentou uma taxa de poupança em 2015 mais baixa.

Portugal entre os países com taxa de poupança mais baixa

 

Fonte: Eurostat (Valores em percentagem)
Fonte: Eurostat

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Poupança já não está negativa mas riscos mantêm-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião