Força área: PJ detém cinco por corrupção

  • Lusa
  • 3 Novembro 2016

Cinco homens foram detidos na Operação Zeus que investiga crimes de corrupção na Força Aérea. Esquema fraudulento poderá ter lesado o Estado em cerca de 10 milhões de euros.

Cinco homens foram detidos na Operação Zeus que investiga crimes de corrupção ativa e passiva para ato ilícito e falsificação de documentos no fornecimento de bens alimentares à Força Aérea, informou hoje a Polícia Judiciária.

Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) refere que o esquema fraudulento poderá ter lesado o Estado em cerca de 10 milhões de euros.

Os cinco detidos vão ser apresentados às autoridades judiciárias para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação.

Segundo a PJ, a atividade criminosa consistia na faturação de géneros alimentícios fornecidos à Força Aérea por um valor muito superior ao dos bens efetivamente fornecidos, sendo a diferença posteriormente distribuída, entre as empresas fornecedoras e os militares envolvidos neste esquema.

No decurso das 180 buscas, efetuadas em simultâneo em 12 bases militares, em 15 empresas e em diversos domicílios, foram apreendidas elevadas quantias em dinheiro, que os investigadores presumem ser o produto da prática dos crimes.

De acordo com a PJ, foram ainda apreendidos outros elementos de “grande relevância investigatória”.

Na operação, desencadeada depois de um ano e meio de uma complexa investigação da PJ, com a colaboração da PJ Militar, participaram cerca de 330 investigadores e peritos da Polícia Judiciária, de diversas unidades orgânicas, acompanhados por cerca de 40 elementos da Polícia Judiciária Militar, bem como de 27 magistrados do Ministério Público.

A investigação é titulado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e envolve a Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ.

A Polícia Judiciária revela que, desde o início da investigação, teve a colaboração, ao mais alto nível, da Força Aérea.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Força área: PJ detém cinco por corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião