Trump vai deportar ou prender até três milhões de imigrantes ilegais

  • Lusa
  • 13 Novembro 2016

Trump afirmou que vai deportar ou prender dois a três milhões de imigrantes ilegais, e que a construção do muro na fronteira com o México pode ser parcialmente substituída por uma cerca.

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, disse este domingo que vai deportar ou prender dois a três milhões de imigrantes ilegais, e que a construção do muro na fronteira com o México pode ser parcialmente substituída por uma cerca.

“O que vamos fazer é encontrar as pessoas que são criminosas ou têm registo criminal, membros de gangues, traficantes de drogas – provavelmente dois milhões, até podem chegar a três milhões – (…) e ou vamos expulsá-las do nosso país ou vamos encarcerá-las”, disse Trump numa entrevista que será transmitida pelo canal televisivo CBS às 22h00 de Lisboa.

“Mas vamos expulsá-las do nosso país, estão cá ilegalmente”, disse o futuro Presidente, acrescentando que depois da fronteira ser “segura”, as autoridades responsáveis pela emigração vão fazer uma “determinação” sobre os restantes imigrantes sem documentos que ficarem no país.

"O que vamos fazer é encontrar as pessoas que são criminosas ou têm registo criminal, membros de gangues, traficantes de drogas – provavelmente dois milhões, até podem chegar a três milhões – (…) e ou vamos expulsá-las do nosso país ou vamos encarcerá-las.”

Donald Trump

Presidente eleito dos EUA

Depois de a fronteira ficar segura e depois tudo estar normalizado, vamos fazer uma determinação sobre as pessoas de quem estão a falar, que são ótimas pessoas, mas vamos fazer uma determinação sobre isso”, disse.

“Mas antes de fazermos essa determinação, é muito importante, vamos tornar as fronteiras seguras”, acrescentou.

Questionado sobre se realmente vai construir um muro ao longo da fronteira com o México, uma das mais mediáticas e controversas propostas eleitorais de Trump, o vencedor das eleições respondeu: “Sim”.

Depois da vitória de terça-feira, o Governo do México veio novamente garantir que não iria financiar a construção do muro, e o vice-presidente da equipa de transição da nova Presidência, o republicano Newt Gingrich, quando questionado sobre o tema, respondeu que o muro tinha sido “um grande instrumento de campanha”.

Na entrevista, a primeira desde que venceu as eleições de terça-feira passada, Trump admitiu ainda que o muro pode ser parcialmente substituído por uma cerca, acolhendo as ideias de alguns congressistas republicanos.

Para certas áreas, sim, mas noutras áreas, um muro é mais apropriado“, disse, acrescentando: “Eu sou muito bom nisto, chama-se construção”.

Na conversa com a jornalista, que inclui segmentos com a mulher, Melanie, e os filhos, Trump revelou que ganhou 100 mil seguidores no sábado nas redes sociais Facebook, Twitter e Instagram, e explicou por que razão usa tanto o Twitter, quando foi questionado se iria “continuar a disparar o que lhe passava pela cabeça” quando chegar à Casa Branca.

“Vou ser muito comedido, se o usar sequer”, respondeu, referindo-se ao Twitter. No entanto, “é uma forma moderna de comunicação, não há nada que ter vergonha. Juntando o Twitter, o Facebook e o Instagram, tenho 28 milhões de pessoas, dá para passar a mensagem. Quando alguém escreve uma má história sobre mim, ou a história é imprecisa, tenho um meio de ripostar”.

“O facto de [estas redes sociais] terem tanto poder ajudou-me a ganhar as corridas nas quais eles [a campanha democrata] gastaram mais dinheiro do que eu”, disse ainda Trump.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump vai deportar ou prender até três milhões de imigrantes ilegais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião