Governo triplica emissão de dívida para o retalho

Perante a forte procura pelas obrigações, o Executivo decidiu aumentar o valor da oferta de Obrigações do Tesouro de Rendimento (OTRV) para o triplo. Passou para 1.500 milhões de euros.

O Governo decidiu triplicar o valor da oferta de Obrigações do Tesouro de Rendimento (OTRV). Começou com 500 milhões de euros, mas perante a forte procura elevou agora o montante para os 1.500 milhões.

“Informa-se que o Conselho de Administração do IGCP decidiu aumentar o valor nominal global da emissão de OTRV para 1.500 milhões de euros“, refere o comunicado. O montante inicial era de 500 milhões.

“A possibilidade de decidir aumentar o valor nominal global da emissão de OTRV encontra-se prevista” desde o lançamento desta nova emissão, acrescenta. E esta opção traduz a forte procura que se tem registado pelos títulos.

Nesta terceira emissão de OTRV, os 500 milhões de euros foram subscritos logo no dia em que arrancou a subscrição, a 14 de novembro. O ECO sabe que logo no primeiro dia as ordens arrasaram com a oferta, tendo chegado ao dobro, ou seja, mil milhões.

Esta será, assim, a maior operação de financiamento do Estado com OTRV. Na anterior, os pequenos investidores tinham aplicado 1.200 milhões de euros, já na primeira o valor ascendeu a 750 milhões. Os investidores interessados têm até 25 de novembro para colocarem ordens.

Apesar de pagar um juro mais baixo do que nas outras operações, a ausência de alternativas atrativas está a levar as famílias a apostarem nestes títulos que prometem uma taxa de 2% ao ano, durante cinco anos. O investimento mínimo é de 1.000 euros, mas é preciso cuidado com as comissões cobradas pelos bancos.

(Notícia atualizada com mais informações sobre a emissão de dívida para o retalho)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo triplica emissão de dívida para o retalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião