Shell e Total estão de regresso a Portugal

  • Rita Atalaia
  • 23 Novembro 2016

O mercado de combustíveis vai receber novamente a Shell e a Total após anos de ausência. Os dois operadores vão entrar num mercado dominado pela Galp Energia, Repsol e BP.

A Shell e a Total vão regressar a Portugal. Entram assim dois novos operadores no mercado de combustíveis dominado pela Galp Energia, Repsol e BP. O regresso das duas petrolíferas foi hoje anunciado pela Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC).

“A Shell, através da sua representada DISA para os postos de abastecimento na Península Ibérica, iniciará a sua atividade em Portugal até ao final do ano”, diz a entidade, liderada por Paulo Carmona, num comunicado enviado às redações. A petrolífera estava ausente do país há 12 anos. À marca da concha junta-se também a francesa Total. “Também a Total regressará em janeiro de 2017 após oito anos de ausência, depois de ter vendido a sua rede à CEPSA”, explica a ENMC.

As duas petrolíferas regressam a um mercado que é dominado pela Galp Energia, Repsol e BP. A ENMC nota que “estes investimentos são positivos, pois vão ao encontro de um desejado aumento da concorrência no setor dos combustíveis”. E este regresso deve-se à entrada em funcionamento do porto da Trafaria, que “será o primeiro porto de abastecimento de combustíveis em águas profundas não controlado pelo único refinador nacional”. Portanto, a Galp Energia.

Novos investimentos no GPL

À Shell e à Total juntam-se ainda mais dois operadores ibéricos de comercialização de garrafas de gás butano e, eventualmente, uma cadeia de supermercados na venda de botijas de marca branca.

O mesmo comunicado refere que “estas entradas decorrem sobretudo da regulamentação levada a cabo pela ENMC, com o apoio do Governo, nomeadamente a obrigatoriedade da troca de garrafas entre operadores, que que tem permitido e facilitado a mudança de fornecedor de garrafas, eliminando as barreiras à entrada de novos operadores e uma maior concorrência, com correspondente baixa de preços na luta por quota de mercado”.

A ENMC diz que apesar de os preços do GPL engarrafado em Portugal serem dos mais baixos em mercado livre, existe margem para descerem com o aumento da concorrência entre novos e antigos operadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Shell e Total estão de regresso a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião