Energia: Plataforma para ajudar a mudar de fonecedor já tem presidente

  • Rita Atalaia
  • 25 Novembro 2016

O Governo vai criar um mecanismo para ajudar os consumidores na hora de trocar de fornecedor de gás ou eletricidade. E já sabe quem vai liderar esta entidade, que só deve estar a funcionar em 2017.

O Governo vai criar um mecanismo para ajudar os consumidores a mudarem de fornecedor de eletricidade e gás natural. E já sabe quem vai liderar esta entidade. João Paulo Girbal é o nome escolhido para a plataforma que só deve estar operacional no próximo ano.

“João Paulo Girbal é o nome escolhido pelo Governo para liderar o processo de criação do OLMC – Operador Logístico de Mudança de Comercializador, a plataforma independente que arrancará, em 2017, para facilitar o processo de mudança de comercializador de eletricidade e gás natural por parte dos consumidores”, de acordo com um comunicado enviado pelo Executivo.

Atualmente, as funções de mudança de comercialização são desempenhadas, no caso da eletricidade, pela EDP Distribuição, e no gás natural, pela REN Gasodutos. Mas agora esta função vai ficar nas mãos da nova plataforma prevista no Orçamento de Estado para 2017.

Lê-se na proposta orçamental que “a atividade de OLMC é a exercida por uma única entidade que responde perante o membro do Governo responsável pela área da energia, com a incumbência de efetivar o direito à informação dos consumidores e de garantir que a mudança de comercializador de eletricidade e gás natural pelo consumidor final é efetuada de forma célere e baseada”.

Mas como é que funciona?

Esta plataforma deverá recolher todos os dados relevantes aos consumidores e permitir que tomem decisões mais informadas na hora de mudarem de fornecedor. “Além de fornecer informação sobre as propostas comerciais existentes no mercado, esta entidade permitirá ainda aos consumidores fazerem escolhas mais informadas, uma condição essencial à proteção dos seus interesses e à dinamização do mercado liberalizado”, explica o comunicado.

Depois da recolha dos dados, o mecanismo deverá explicar quais os procedimentos para a contratação de serviços de eletricidade e/ou gás natural, quais as tarifas mais adequadas para cada consumidor e ainda qual a tarifa social existente e aplicável. Para além disso, o OLMC, que só deverá estar a funcionar em 2017, ajudará os consumidores a fazerem uma utilização mais eficiente da energia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energia: Plataforma para ajudar a mudar de fonecedor já tem presidente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião