Marcelo: Feriado “nunca devia ter sido suspenso”

O Presidente da República começou o discurso no 1º de dezembro criticando a suspensão do feriado. Já o primeiro-ministro aproveitou para falar das relações com Espanha e a necessidade de abrir o país.

O feriado de 1º de dezembro “nunca devia ter sido suspenso“, afirmou o Presidente da República esta quinta-feira de manhã nas cerimónias de comemoração da Restauração de Independência de Portugal. Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou para deixar recados a quem gere o dinheiro público, exigindo independência ética.

Este é um regresso da figura máxima da República Portuguesa às comemorações deste dia de independência para o país, após anos de ausência. O discurso de Marcelo marca também a reversão do feriado nacional, depois da suspensão no Governo PSD/CDS. “O que nos une aqui hoje é Portugal. O Portugal intemporal”, começou o atual Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou a celebração da independência para pedir que esta se propague à política, às finanças, à economia e até à ética. O Presidente da República alertou para que não existam “sujeições” ou “subserviências” que ponham em causa a soberania do país, apelando a um fortalecimento da independência financeira e económica, nomeadamente na ética com que se gere o dinheiro público.

Sentimento anti-castelhano “não tem sentido no presente”

António Costa, responsável por reverter a eliminação do feriado de 1º de dezembro, celebrou a “restauração do feriado da restauração de 1640”. O primeiro-ministro citou Fernando Pessoa, Antero de Quental e até as conferências do Casino para deixar uma mensagem contra o nacionalismo, a xenofobia e o protecionismo.

cropped-pn_09513crp
António Costa, primeiro-ministro, na Assembleia da República.Paula Nunes / ECO

No seguimento da visita de Estado dos reis de Espanha a Portugal, António Costa afirmou esta quinta-feira de manhã nas celebrações do 1º de dezembro que o sentimento anti-castelhano “não tem sentido no presente”. “Somos dois países cientes da identidade de cada qual“, assegurou o primeiro-ministro, referindo que há um histórico de colaboração em termos de defesa, com a NATO, na União Europeia e no “vasto universo ibero-americano plural e crescentemente integrado“-

Ciente de que “há interesses que juntos podemos fortalecer melhor”, António Costa apelou à construção de pontes em vez da tentação de construir muros. “Orgulhosamente acompanhados“, apelidou Costa a Portugal, demonstrando o interesse em receber, por exemplo, mais refugiados no país dada “a identidade aberta que bate no coração da nossa língua”.

Editado por Paulo Moutinho

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo: Feriado “nunca devia ter sido suspenso”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião