CGD: PCP diz que Paulo Macedo não reúne condições para liderar banco público

  • Lusa
  • 2 Dezembro 2016

O PCP defendeu que Paulo Macedo não reúne as condições para ser presidente da Caixa Geral de Depósitos devido ao seu percurso anterior como ministro da Saúde do Governo do PSD/CDS.

O PCP defendeu esta sexta-feira que Paulo Macedo não reúne as condições para ser presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) devido ao seu percurso anterior como ministro da Saúde do Governo do PSD/CDS.

O Governo decidiu, a responsabilidade é do Governo, na nossa opinião não decidiu de acordo com estes critérios [de competência e de identificação com o serviço público]. O doutor Paulo Macedo oferece-nos muitas reservas para vir a ocupar este cargo, particularmente pelo seu percurso anterior, nomeadamente um homem dos mais importantes ministros do governo PSD/CDS”, declarou o dirigente comunista Jorge Pires.

"O doutor Paulo Macedo oferece-nos muitas reservas para vir a ocupar este cargo, particularmente pelo seu percurso anterior, nomeadamente um homem dos mais importantes ministros do governo PSD/CDS.”

Jorge Pires

Dirigente do PCP

Para sustentar a sua posição, o elemento da comissão política do Comité Central do PCP explicou que Paulo Macedo enquanto ministro da Saúde levou a que uma parte do Serviço Nacional de Saúde fosse sendo privatizado, cresceram as transferências de dinheiros públicos para grupos privados na saúde e relativamente a cuidados primários de saúde, mais de um milhão e meio de portugueses ficaram sem médico de família.

Para o PCP, a escolha do presidente do banco público deveria ter obedecido aos critérios de “ser uma pessoa competente e, por outro lado, ser uma pessoa que se identifique com o serviço público, que esteja disponível e assim contribuir para a resolução do problema da Caixa Geral de Depósitos”.

O dirigente comunista fez estas declarações aos jornalistas à margem dos trabalhos do XX Congresso do PCP que decorre até domingo em Almada, na margem sul do Tejo.

"Consideramos que, de acordo com os critérios que nós defendemos, o doutor Paulo Macedo não reúne as condições para ser o presidente da Caixa Geral de Depósitos, é uma decisão do governo e o governo assume a sua responsabilidade.”

Jorge Pires

Dirigente do PCP

“Consideramos que, de acordo com os critérios que nós defendemos, o doutor Paulo Macedo não reúne as condições para ser o presidente da Caixa Geral de Depósitos, é uma decisão do governo e o governo assume a sua responsabilidade”, declarou, acrescentando que o executivo socialista informou o PCP desta decisão.

O Governo convidou Paulo Macedo para presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e Rui Vilar para ‘chairman’, tendo ambos aceitado os convites, informaram hoje as Finanças.

Em comunicado hoje emitido, o ministério de Mário Centeno indica que “o Governo decidiu convidar o doutor Paulo Macedo para CEO [presidente executivo] da CGD, tendo o convite sido aceite”, e que “para ‘chairman’ [presidente do Conselho de Administração] da CGD foi convidado o doutor Emílio Rui Vilar, convite esse que também foi aceite”.

Na nota, a tutela refere que o Governo está, em conjunto com Paulo Macedo e Emílio Rui Vilar, “a trabalhar na definição da composição do restante Conselho de Administração” da Caixa, reiterando que “o processo de nomeação do novo Conselho de Administração da CGD segue assim o seu curso normal”.

A situação no banco público mereceu já hoje, na abertura do XX Congresso Nacional do PCP, uma posição do secretário-geral, Jerónimo de Sousa, que citou como maus exemplos “a resolução do Banif, o processo de nomeação da administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD)” ou “as opções de política económica, fiscal e externa”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: PCP diz que Paulo Macedo não reúne condições para liderar banco público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião