Petróleo em queda pela primeira vez depois do acordo da OPEP

  • Ana Luísa Alves
  • 6 Dezembro 2016

A reunião da OPEP foi na passada quarta-feira, mas esta terça-feira o "ouro negro" registou uma queda, cedendo de máximos de 16 meses um novo mínimo histórico.

O petróleo registou esta terça-feira uma queda, aproximadamente uma semana depois de a OPEP ter chegado a acordo, na reunião em Viena. O “ouro negro” cede assim de máximos de dezasseis meses.

Os futuros caíram 1,7% em Nova Iorque esta manhã, depois de avançarem 15% nas últimas quatro sessões. A OPEP aumentou a produção em novembro para os 34,16 milhões de barris por dia, segundo referem os analistas sondados pela Bloomberg. Angola, Líbia e Nigéria lideraram ganhos em novembro.

Ainda assim, na semana passada, os catorze Estados-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo reuniram em Viena, e o acordo a que chegaram foi o de reduzir a produção de petróleo para voltar a equilibrar o mercado e os preços do “ouro negro”. O teto definido para a produção foi de 32,5 milhões de barris por dia.

Esta semana as atenções estão viradas para os países fora da Organização que vão, ou não, reduzir igualmente a produção de petróleo quando, no próximo sábado se voltarem a reunir com os Estados-membros da OPEP.

“O mercado está a respirar”, referiu à Bloomberg Bjarne Schieldrop, analista do SEB Markets, em Oslo.

O brent está hoje a a negociar nos 54,33 dólares o barril, caindo 1,1%, e o crude cai 1,47% para os 51,03 dólares o barril.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Petróleo em queda pela primeira vez depois do acordo da OPEP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião