As vítimas de Donald Trump

Trump atacou dois gigantes da indústria aeroespacial, colocando em causa os elevados custos que representam para o Governo. As farmacêuticas foram outra das vítimas. Quem perde são os investidores.

“Cancel order!”. Foi com este “grito de guerra” aos custos que Donald Trump terminou um tweet em que abriu as hostilidades contra alguns gigantes norte-americanos. Desta vez Trump apontou a mira à Lockheed Martin, também através do Twitter, ao afirmar que os custos do programa F-35 estão “fora do controlo”. Gritos nas redes sociais que estão a custar milhares de milhões aos investidores.

Ações da Lockheed na última semana

lock222

“O programa F-35 e o seu custo está fora de controlo”, disse nesta segunda-feira Trump, através do Twitter, acrescentando que “milhares de milhões de dólares podem ser e serão poupados em compras militares (e outras) depois de 20 de janeiro”, referindo-se ao dia da tomada de posse.

No caso concreto da Lockheed, o jato F-35 é o sistema de armamento mais dispendioso do Pentágono, representando cerca de 20% das receitas da Lockheed Martin. Numa reação às declarações de Trump, o vice-presidente e responsável do programa dos F-35, Jeff Babione, veio afirmar que a Lockheed Martin compreende as preocupações de Trump e que já investiu milhões de dólares para reduzir os custos do desenvolvimento dos aparelhos.

“Aguardamos por quaisquer questões que o presidente eleito possa ter”, acrescentou o mesmo responsável já as ações do gigante da indústria aeroespacial norte-americana estavam em forte queda. Bastaram poucas horas para a Lockheed perdesse cerca de 3,5 mil milhões de dólares em valor de mercado, face a uma queda das suas ações que chegou a superar 5%.

A indústria aeroespacial tem sido um dos alvos preferências dos ataques de Donald Trump, razão que facilmente justifica o mergulho em bolsa registado pelo setor na primeira sessão da semana, face à ameaça com que se depara.

A primeira investida foi há cerca de uma semana, altura em que o futuro presidente dos EUA deu a entender que pretendia cancelar a encomenda, à Boeing, do novo Air Force 1, devido aos custos envolvidos. Os efeitos sobre os títulos da Boeing foram imediatos, que nesse dia 6 de dezembro chegaram a desvalorizar 1,41%.

 

 

 

Apesar de o setor aeroespacial ser o único a ter uma “declaração de guerra oficial” por parte do futuro presidente dos EUA, este tem lançado farpas a diversos segmentos empresariais. Um dos ataques mais recentes incidiu sobre o setor farmacêutico, apesar de este não ter incidido sobre nenhum alvo em concreto. Também na semana passada, Donald Trump defendeu que os preços dos medicamentos teriam de descer.

“Vou trazer os preços dos medicamentos para baixo”, afirmou Trump à Time na entrevista “Personalidade do Ano”. e acrescentou: “não gosto do que aconteceu com o preço dos medicamentos”.

Quem não apreciou as declarações do próximo dos EUA foram as empresas do setor e os investidores, já que as ações das farmacêuticas resvalaram nesse dia 7 de dezembro. Uma das principais vítimas das palavras de Trump acabou por ser a Celgene. As ações da biofarmacêutica norte-americana deslizaram 4% nesse dia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As vítimas de Donald Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião