Em atualização Governo propõe aumentos semestrais do salário mínimo a partir de 2018

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 19 Dezembro 2016

Parceiros sociais reuniram-se hoje para discutir o salário mínimo mas o tema não ficou fechado. Governo propôs medidas e admite aumentos semestrais a partir de 2018.

O Governo entende que o salário mínimo deve aumentar semestralmente a partir de 2018. Porém, não esclarece se a subida para 600 euros prevista no final da legislatura pode acontecer logo no início de 2019 ou se será atirada para meio do ano. Para 2017, ainda não há acordo. Os parceiros sociais voltam a reunir-se na quinta-feira para discutir o tema.

“A questão da semestralidade não é nenhuma invenção, há países em que o salário mínimo é atualizado de seis em seis meses e não ano a ano, e é isso que nós propomos em Portugal”, para acompanhar mais de perto “aquilo que se passa em termos de mercado de trabalho” e de salários, afirmou o ministro do Trabalho à margem da reunião de concertação social. A proposta do Governo prevê assim “que haja uma atualização em janeiro, outra atualização a meio do ano”, afirmou Vieira da Silva, referindo que isto fará com que a capacidade de adaptação das empresas seja maior.

Os jornalistas quiseram saber se, neste cenário, o aumento para 600 euros prometido para o final da legislatura só ocorreria no segundo semestre de 2019 mas o governante não foi claro: “os 600 euros serão atingidos, espera o Governo, é essa a nossa convicção e o nosso compromisso, durante esta legislatura, portanto é o que está no programa do Governo”, disse. Também não esclareceu se o assunto já foi discutido com os partidos que apoiam o Governo.

Passado este período de aumento “excecional”, o Executivo espera que o salário mínimo possa evoluir de acordo com outros indicadores, como a inflação. Vieira da Silva fala numa “alteração da metodologia”, em que o salário mínimo passa a contar com aumentos semestrais, “com o objetivo de em 2019 atingir os 600 euros” e “de em 2020 se continuar, aí já depois deste esforço extraordinário de aumento excecional do salário mínimo”, numa lógica de crescimento “baseado nos indicadores económicos mais clássicos“, que têm a ver com inflação e repartição de rendimentos.

Sobre a subida da remuneração mínima garantida para 2017, ainda não há acordo e os parceiros sociais voltam a discutir o tema no dia 22. Para o próximo ano, o Executivo propõe uma atualização dos atuais 530 para 557 euros, tal como apontava o programa do Governo. A CGTP defende uma subida para 600 euros, a UGT já defendeu 565 euros embora admita uma atualização inferior e os patrões falam em 540 euros.

Em contrapartida ao aumento, as empresas voltarão a ter um apoio, agora alargado: a redução em um ponto percentual da Taxa Social Única a cargo dos empregadores, quando estão em causa trabalhadores com salário mínimo. Atualmente já existe uma redução, de cariz temporário, mas de apenas 0,75 pontos percentuais. Vieira da Silva garante que a medida continuará a ser de cariz excecional. A CGTP avisa que não aceita a medida.

“Temos a noção que estamos a solicitar aos parceiros que se empenhem relativamente na passagem do salário mínimo de 530 para 557 euros, é uma subida significativa”, afirmou Vieira da Silva, acrescentando: “parece-nos razoável que haja esta proposta de algum apoio” para “que essas empresas possam integrar esse aumento de forma mais fácil”.

Governo propõe suspensão da caducidade das convenções coletivas

Na reunião de hoje, o Governo apresentou aos parceiros sociais um compromisso para um acordo de médio prazo que, de acordo com Vieira da Silva, além do salário mínimo ainda aborda questões de “natureza laboral” e apoios à atividade económica.

No que diz respeito a normas laborais, Vieira da Silva pede aos parceiros um “sinal de compromisso” em torno da negociação coletiva. E propõe um acordo entre patrões e sindicatos, “no sentido de, durante 18 meses, não ser utilizada a cláusula da caducidade; a denúncia dos contratos coletivos”. O presidente do CES já tinha apontado para esta medida. Os parceiros ficaram de avaliar as propostas mas o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, já disse que quer mesmo eliminar a caducidade da lei laboral.

A proposta do Governo não implica alterações à legislação laboral mas a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) levantou dúvidas sobre essa intenção, indicando que o ministro do Trabalho falou em “avaliação integrada” das normais laborais. Questionado sobre se iria mais longe na lei do trabalho, Vieira da Silva afirmou que o “Governo não está limitado na sua atuação do ponto de vista da legislação laboral”. Acrescentou que “serão feitas as alterações necessárias” mas apontou para as prioridades: promoção da negociação coletiva e combate à segmentação do mercado de trabalho.

Porém, os patrões já avisaram que só aceitam que o salário mínimo vá além dos 540 euros em 2017 se não houver mexidas na legislação laboral. Vieira da Silva salienta que “durante alguns anos” houve uma “tendência para um desequilíbrio excessivo nas relações laborais” que deve ser “corrigido”. Mas privilegia a dimensão negocial para isso, diz.

Confederações sindicais falam em documento desequilibrado

Tanto a CGTP como a UGT dizem que o documento apresentado pelo Governo é desequilibrado, em benefício dos patrões. Carlos Silva, da UGT, salienta que “muitas das preocupações e premissas dos empregadores estão expressas no documento”.

Já a CCP diz que o documento “é bastante genérico”. Para Vieira Lopes, o Governo aceitou alguns princípios propostos pelos patrões para um acordo de médio prazo mas “no que se refere às contrapartidas de curto prazo, o Governo está muito afastado“.

Também António Saraiva, presidente da CIP — Confederação Empresarial de Portugal, diz que, apesar dos avanços, a posição do Governo “ainda está longe daquilo que se pode considerar um acordo“. Saraiva acredita que há condições para um compromisso e que este terá em conta dois momentos: “um primeiro momento para 2017” e, já no decurso desse ano, a celebração de “um acordo mais ambicioso”.

Notícia atualizada com declarações dos vários parceiros

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Governo propõe aumentos semestrais do salário mínimo a partir de 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião