Luso-americano assume liderança da Fundação Obama

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2016

A Fundação Obama anunciou esta segunda-feira que o luso-descendente David Simas, até ao próximo dia 20 de janeiro diretor político da Casa Branca, será o seu diretor-geral.

“No próximo ano, a Fundação Obama vai continuar o seu importante trabalho de criar um Centro Presidencial para inspirar cidadãos e comunidades a assumirem grandes desafios. Sinto-me honrado por servir o Presidente e a primeira-dama e entusiasmado por ser parte do trabalho que será feito para alcançar esta missão“, disse David Simas em comunicado.

O luso-descendente trabalhará assim com o presidente da fundação, Marty Nesbitt, e o seu diretor-executivo, Robbin Cohen, na fundação que terá sede em Chicago. Nesbitt considerou Simas, em comunicado, como “uma adição de valor incalculável para a equipa numa altura em que entra num ano importante para a fundação.”

“Junto com os nossos vizinhos do lado sul [de Chicago], vamos construir um centro presidencial de classe mundial para motivar as pessoas a construir uma mudança e estamos entusiasmados por ter o David a trabalhar connosco nesta missão”, disse o presidente da fundação.

Sinto-me honrado por servir o Presidente e a primeira-dama e entusiasmado por ser parte do trabalho que será feito para alcançar esta missão.

David Simas

Diretor-geral da Fundação Obama

David é filho de António Simas, do Faial da Terra, São Miguel, Açores, e de Deolinda Matos Simas, de Abela, Alentejo. Os dois portugueses emigraram para Taunton, em Massachusetts, nos anos 1960.

O luso-descendente é licenciado em Ciência Política e Direito. Tornou-se conhecido na comunidade portuguesa ao exigir às companhias de televisão por cabo que incluíssem a RTP Internacional nos seus pacotes.

Já como advogado, tornou-se colunista de um jornal da comunidade e participou em programas de rádio. Acabou por ser contratado para o Congresso de Massachusetts e, em 2007, foi nomeado chefe de gabinete do governador Deval Patrick. Há quase oito anos, o homem que inventou o slogan “Yes We Can”, David Axelrod, convidou-o para a Casa Branca como seu conselheiro.

Durante a campanha presidencial de 2012, foi diretor de sondagens dos democratas. Dois anos depois, tornou-se diretor político da Casa Branca. “O orgulho que tenho de ser filho de emigrantes é uma coisa de que me lembro todos os dias”, disse numa entrevista à Lusa em 2014.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luso-americano assume liderança da Fundação Obama

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião