CGTP: Maior apoio na TSU para patrões é “inaceitável”

O líder da central sindical foi duro nas palavras que dirigiu ao Governo: o Partido Socialista não teve "coragem" para enfrentar o "lóbi" e deu um "cabaz de Natal" de dinheiro aos patrões.

Este acordo é um cabaz de Natal recheado para os patrões, cheio de mordomias e centenas de milhões de euros“, atacou Arménio Carlos à saída da concertação social. O líder da CGTP foi crítico em relação à posição do Governo, acusando o Executivo de falta de coragem. A central sindical não assinou o acordo, apesar de se congratular com uma das medidas.

O aumento do salário mínimo para os 557 euros não é suficiente para a CGTP, mas Arménio Carlos congratulou-se com uma garantia do acordo: a subida de 27 euros vai acontecer no primeiro dia do ano, referência que, diz, não estava no texto inicial. Uma vitória da CGTP que, no entanto, não permitiu que assinasse também o acordo.

Em causa está o facto de, para Arménio Carlos, este acordo ter como “grandes beneficiadas as grandes empresas”. “O Governo não teve coragem de acabar com a norma da caducidade”, atacou o líder da CGTP, referindo que o Executivo, neste caso, “não rompeu” com medidas do Governo anterior por falta de “ousadia e coragem de enfrentar o lóbi instalado”.

Apesar disso, Arménio Carlos diz que “valeu a pena manter uma posição firme” quanto ao valor do salário mínimo, referindo ainda assim que é um “valor insuficiente”. Já o aumento da TSU é “inaceitável”, classificou.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGTP: Maior apoio na TSU para patrões é “inaceitável”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião