25 dias de férias? “Não está no programa do Governo”

O aumento do número de dias de férias, para além dos 22 previstos no Código do Trabalho, deve ser negociado nos contratos coletivos, defende o ministro do Trabalho, que está no ECO Talks.

Os partidos à esquerda do PS vão apresentar propostas para repor os 25 dias de férias, quer na função pública, quer no setor privado. Mas será o próprio Governo a chumbar as propostas, já que o aumento do número de dias de férias não está no programa, adiantou Vieira da Silva.

“Não estava no programa eleitoral do PS e não está no programa do Governo”, assegurou o ministro do Trabalho, questionado no ECO Talks, que decorre esta manhã.

Vieira da Silva admite que os trabalhadores possam gozar de mais do que os 22 dias de férias previstos no Código do Trabalho, mas descarta que esse aumento chegue por via legislativa.

"A negociação coletiva já aumentou o número de dias de férias, em alguns setores.”

Vieira da Silva

Ministro do Trabalho

“Essa é uma das áreas em que o instrumento apropriado é a negociação coletiva. A negociação coletiva já aumentou o número de dias de férias, em alguns setores”, afirmou o ministro, rejeitando, ainda, que as férias devam ser associadas ao absentismo. “Não foi um passo feliz. São matérias diferentes, que têm de ser tratadas em sede de negociação coletiva”.

“Compete aos setores, às atividades económicas, às suas estruturas representativas poderem incluir no seu espaço negoacial a possibilidade de ajustarem o seu tempo de férias”, afirmou depois, no final do ECO Talks, o ministro do Trabalho.

"Tenho a convicção profunda de que é preciso introduzir mudanças no nosso enquadramento laboral.”

Vieira da Silva

Ministro do Trabalho

Ainda que rejeite o aumento do número de dias de férias, o ministro do Trabalho reconhece que são precisas outras mudanças. “Tenho a convicção profunda de que é preciso introduzir mudanças no nosso enquadramento laboral”, disse durante o ECO Talks, salientando, contudo, que o país evoluiu “em alguns aspetos, sobretudo na negociação em sede de concertação social”.

Há “duas questões fundamentais” que são “problemas sérios”, considera Vieira da Silva: a “fragilidade que existe na negociação coletiva” e a negociação individual.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

25 dias de férias? “Não está no programa do Governo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião