“Não haverá garantias de Estado no Novo Banco”

É uma declaração de Mário Centeno em entrevista ao DN e à TSF que coloca um grande ponto de interrogação sobre o processo de venda do Novo Banco.

Numa entrevista publicada esta quarta-feira no Diário de Notícias e na TSF (conteúdo pago), e na semana em que o Banco de Portugal se prepara para tentar fechar o dossier da venda do Novo Banco, o ministro das Finanças vem colocar em cima da mesa um dado que pode comprometer, e de que maneira, a viabilidade de algumas das propostas de compra.

Tal como ECO já tinha avançado, nesta altura a proposta de compra dos chineses do Minsheng, a melhor das três em cima da mesa, poderá já estar comprometida por falta de apresentação de uma garantia bancária.

As duas que sobram, — a do Lone Star e a dos fundos Apollo/Centerbridge, — implicam ambas a necessidade de o Estado entrar com uma garantia, ou seja, assumir um risco para os contribuintes.

Mas na entrevista ao DN/TSF Mário Centeno é categórico em afastar este cenário: “O que nós temos dito e mantemos é algo que foi dito há mais ou menos um ano pelo Governo e que é o de envolver dinheiro dos contribuintes em negócios privados na banca. Esse é o patamar adicional que nós não estamos dispostos a ultrapassar”.

Mais à frente, o ministro das Finanças reforça: “Uma garantia pública nas condições, eu vou dizer, habituais em que o lê a expressão garantia pública não é uma solução.

E quando questionado diretamente sobre a proposta da Lone Star que pressupõe uma garantia pública, Mário Centeno diz não ter conhecimento formal nem dos números, nem das condições da garantia em causa, mas assegura que “uma garantia de Estado para suportar um negócio privado e que ponha em risco dinheiro dos contribuintes é obviamente algo que nós não estamos a perspetivar neste negócio”.

Uma garantia pública nas condições, eu vou dizer, habituais em que o lê a expressão garantia pública não é uma solução.

Mário Centeno

Uma posição que pode comprometer as duas propostas para a aquisição do Novo Banco. E como a dos chineses não foi acompanhada de uma garantia bancária, o desfecho do processo da venda do Novo Banco parece envolto num grande ponto de interrogação.

Mas Mário Centeno não descarta nenhum cenário, nem mesmo integrar o Novo Banco na esfera pública.

“Nada está fora de questão quando se trata de garantir a estabilidade do sistema financeiro”, diz, para mais à frente reforçar: “eu não acho que seja adequado eliminar nenhum tipo de abordagem em relação ao Novo Banco”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não haverá garantias de Estado no Novo Banco”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião