CGD: Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados

  • Lusa
  • 3 Janeiro 2017

Vítor Constâncio foi chamado para comparecer na comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos, mas não pode estar presencialmente, pelo que vai responder por escrito às perguntas dos deputados.

Segundo a informação recolhida pela Lusa junto de fonte parlamentar, o atual vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), que ia ser ouvido em meados de janeiro, invocou a indisponibilidade para se deslocar a Portugal, solicitando a possibilidade de responder por escrito às questões que lhe forem colocadas.

No final dos trabalhos desta terça-feira, após a audição de António de Sousa (antigo presidente do Conselho de Administração do banco público), teve lugar uma reunião entre os coordenadores dos grupos parlamentares que integram esta comissão, que decorreu à porta fechada, e na qual foi aceite o pedido de Constâncio.

A extensão dos trabalhos desta comissão parlamentar de inquérito além do prazo estipulado também foi discutida, havendo abertura por parte dos vários partidos para que tal aconteça, de acordo com a mesma fonte.

Isto, depois de ter havido já suspensões no prazo de 120 dias da comissão devido às férias parlamentares e à discussão do Orçamento do Estado para 2017. O período máximo para a conclusão dos trabalhos é de 180 dias.

A comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), imposta potestativamente por PSD e CDS-PP, tomou posse a 5 de julho na Assembleia da República, e debruça-se, por exemplo, sobre a gestão do banco público desde o ano 2000, abordando ainda os factos que levaram ao processo de recapitalização da CGD, que foi aprovado por Bruxelas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião