Popular Portugal passa a sucursal do banco espanhol

O Banco Popular em Portugal vai deixar de ser um banco e passa a sucursal do Popular Espanhol.

O Banco Popular Portugal vai tornar-se numa sucursal do Popular Espanhol, adianta a instituição em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“O Banco Popular Portugal, S.A. informa que o seu Conselho de Administração e o do Banco Popular Español, S.A. aprovaram um projeto comum de cisão parcial transfronteiriça intracomunitária do Banco Popular Portugal, S.A., enquanto sociedade cindida, a favor do Banco Popular Español, S.A., enquanto sociedade beneficiária”, pode ler-se no comunicado.

O Popular diz que o processo de cisão será feito em determinados moldes, desde logo “a atividade bancária desenvolvida pelo Banco Popular Portugal será integrada no Banco Popular Español”.

Para este efeito, o Banco Popular Español “constituirá uma sucursal para o exercício da referida atividade em Portugal”. Já o Banco Popular Portugal é transformado numa sociedade de locação financeira que assegura as atividades de locação financeira e imobiliária.

Esta decisão é conhecida depois do Popular Portugal ter anunciado em novembro que no âmbito do processo de reestruturação iriam sair da instituição 295 trabalhadores e seriam encerrados 47 balcões.

O processo de cisão está sujeito “à verificação cumulativa de determinadas condições suspensivas e autorizações administrativas, melhor descritas no projeto de cisão, esperando-se que possa estar concluída no último trimestre do presente ano”.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Popular Portugal passa a sucursal do banco espanhol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião