Plataforma de crowdfunding GoFundMe atinge 3 mil milhões de doações

  • Juliana Nogueira Santos
  • 9 Janeiro 2017

A plataforma de "angariação social" chegou em 2016 aos dois milhões de campanhas, tendo angariado 3 mil milhões de dólares. Mas o presidente não quer que este número fique por aqui.

A GoFundMe tem-se destacado das demais plataformas de angariação de financiamento online pelo seu caráter social e filantrópico, sendo que o dinheiro reverte sempre para causas nobres. Nesta passagem de ano, a plataforma conseguiu ultrapassar um marco muito importante: já foram angariados 3 mil milhões de dólares, devido à boa vontade de mais de 25 milhões de doadores.

Além disto, chegou-se à marca dos dois milhões de campanhas levadas a cabo, afirmando-se que o número de pessoas ajudadas triplicou. Rob Soloman, o homem que criou a plataforma em 2010, sublinha que a GoFundMe vai mais além do crowdfunding, preferindo o termo “angariação social”.

"Cria-se este ciclo vicioso de pessoas a terem acesso à campanha e de muitas pessoas a darem para essa campanha. Um dólar pode-se transformar em dezenas, centenas, milhares de dólares.”

Rob Solomon

Presidente da GoFundMe

As campanhas angariam uma média de 1.000 a 2.000 dólares, provenientes principalmente da família, amigos e conhecidos do criador. Ainda assim, o impacto maior destas tem sido a consciencialização da população para as pequenas causas, desde adquirir próteses para um cão com deformações congénitas até proporcionar um casamento de sonho a uma mulher com cancro.

Embora existam milhares, o presidente da plataforma afirma que não existem riscos de canibalização de campanhas, visto que os campos de ação são extensos e não existe uma tendência de os doadores deixarem uma causa para se dedicar totalmente a outra. Este ano, a causa com maior impacto foi a das vítimas do tiroteio da discoteca Pulse, em Orlando, que já conseguiu angariar cerca 7,8 milhões de dólares.

Ainda assim, Solomon confessou à revista Fast Company que isto ainda não é suficiente, prevendo que na próxima década sejam angariados mais de 40 mil milhões de dólares, trazendo uma nova roupagem aos modelos atuais de angariação de fundos: “Queremos chegar a um ponto onde estamos a fazer mais que as maiores organizações e fundações do mundo.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plataforma de crowdfunding GoFundMe atinge 3 mil milhões de doações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião