Arábia Saudita corta produção. Petróleo… cai

  • Leonor Rodrigues
  • 13 Janeiro 2017

Depois da maior valorização das últimas seis semanas, os preços do barril de petróleo estão a cair cerca de 1%, tanto em Londres, como em Nova Iorque.

Depois do maior ganho em mais de um mês, com o anúncio de corte de produção por parte da Arábia Saudita, o preço do barril de petróleo seguem em queda. O preço da matéria-prima corrige perante um menor otimismo relativamente ao anúncio do maior produtor do ouro negro.

A cotação do Brent está a desvalorizar 0,98% em Londres para os 55,46 dólares. Do outro lado do Atlântico a tendência de perdas é a mesma, com o West Texas Intermediate (WTI) a cair 1% para os 52,48 dólares por barril. “Há um limite para quanto as notícias de ontem devem conduzir o mercado”, afirma Ole Hansen do Saxo Bank à Bloomberg.

Na quarta-feira, a Arábia Saudita anunciou um corte de produção de petróleo para menos de 10 milhões de barris por dia, o que fez com que os preços subissem. Em duas sessões, as cotações do petróleo registaram uma valorização de mais de 4%, a subida mais expressiva desde 2 de dezembro.

Recorde-se que os preços do ouro negro têm avançado desde que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) acordaram em novembro um corte na produção. Este corte entrou em vigor no arranque deste ano, mas não tem permitido uma manutenção dos preços acima dos 55 dólares até porque existe a preocupação de que o aumento das cotações puxem pela produção nos EUA.

Com o anúncio da Arábia Saudita, os investidores ficaram mais otimistas e o mercado reagiu positivamente. Mas por pouco tempo: “os sauditas têm um nível de integridade mais elevado do que outros países da OPEP mas mesmo assim precisamos de mais tempo para ver o que vai acontecer a nível coletivo”, afirma Michael McCarthy da CMC Markets em Sidney, na Austrália, à Bloomberg.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arábia Saudita corta produção. Petróleo… cai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião