BCP, sem direitos, dispara mais de 20%

Os títulos do banco estão a registar uma forte subida em bolsa após o destaque dos direitos do aumento de capital. Está a corrigir de mínimos históricos.

O Banco Comercial Português (BCP) afundou no último dia de negociação com os direitos do aumento de capital, mas está a disparar após o destaque. Os títulos do banco chegaram a registar uma subida de mais de 20%, beneficiando do otimismo das agências de notação financeira em torno da operação de financiamento que está a ser levada a cabo.

Os títulos do banco liderado por Nuno Amado arrancaram a sessão com uma valorização de 5%, mas a tendência positiva acentuou-se com as ações a chegarem a apresentar um ganho de 22%. Seguem com uma subida de 15,67% para 16 cêntimos, aliviando do mínimo histórico da última sessão.

Ações do BCP disparam após destaque dos direitos

bcp-01
Fonte: Bloomberg

O BCP chegou a cotar nos 80 cêntimos ainda antes do destaque dos direitos. À cotação de fecho da última sessão, os títulos ajustaram para 13,83 cêntimos, ficando os direitos avaliados em 66 cêntimos. A negociação dos direitos, que permitem comprar 15 novas ações cada um, arranca esta quinta-feira.

Além da correção face ao mínimo histórico, os títulos estão a ser impulsionados pelo otimismo dos investidores em torno da operação de aumento de capital de 1.300 milhões de euros que está a ser realizada. Com este aumento de capital, o BCP pretende pagar o empréstimo do Estado e reforçar os rácios de capital.

A operação tem merecido o aplauso, nomeadamente das agências de rating. A última foi a Standard & Poor’s que veio afirmar que se a operação for “bem-sucedida, consideramos que o aumento de capital poderá melhorar a qualidade do crédito do BCP”. Colocou, por isso, “o Millennium BCP em CreditWatch com implicações positivas”.

(Notícia atualizada às 8h36 com o acentuar da valorização das ações do BCP)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP, sem direitos, dispara mais de 20%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião