Salário mínimo ganha peso nas atividades administrativas

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 18 Janeiro 2017

Os dados reportam a abril de 2016 e mostram que o peso de trabalhadores a receber salário mínimo aumentou em todos os setores menos na construção.

É nas atividades administrativas, no alojamento e restauração e nas indústrias transformadoras que há mais trabalhadores a receber salário mínimo. E é nas áreas relacionadas com eletricidade, gás e água que há menos.

De acordo com dados do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, que reportam a abril de 2016, as atividades administrativas e dos serviços de apoio passaram a deter a maior proporção de trabalhadores por conta de outrem a receber remuneração mínima garantida, na altura de 530 euros: 36,3%. Isto depois de uma subida acentuada (de 11,8 pontos percentuais) face ao mesmo período do ano anterior.

Em abril de 2015 — quando o salário mínimo ficava ainda nos 505 euros — esta atividade ocupava então o quinto lugar da tabela. Em outubro daquele ano, passa para a terceira posição e já em abril de 2016 torna-se a atividade com maior percentagem de trabalhadores a tempo completo a receber a remuneração mínima, ocupando o lugar então preenchido pelas atividades de alojamento, restauração e similares.

No extremo oposto estão as atividades financeiras e de seguros e o setor de eletricidade, gás, vapor, água e ar, onde o peso de trabalhadores a receber salário mínimo é reduzido (2,2% e 0,4%, respetivamente).

(Valores em percentagem dos trabalhadores por conta de outrem)
(Valores em percentagem dos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo) Fonte: GEP

 

As conclusões constam do Inquérito aos Ganhos e à Duração do Trabalho, que, por ser realizado semestralmente, avança dados referentes a abril e a outubro. É abrangida a generalidade dos setores no Continente, excluindo, por exemplo, a Administração Pública ou a agricultura.

Os dados permitem concluir que, à exceção da construção, o peso de trabalhadores a receber salário mínimo aumentou em todos os setores face a abril de 2015, quando o salário mínimo era 25 euros mais baixo.

Contas feitas, em abril de 2016, o salário mínimo de 530 euros abrangia 25,3% dos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo, indica o inquérito. Porém, o ministério do Trabalho já divulgou outros dados, referentes a setembro: o número de trabalhadores a receber o valor mínimo garantido correspondia a 20,5% do total das remunerações declaradas, de acordo com dados provisórios baseados nas declarações de rendimentos à Segurança Social, relativos ao Continente.

Ganho médio recua em abril, mulheres continuam a receber menos

Entre remuneração base, prémios, subsídios regulares e horas extra, os trabalhadores dependentes recebiam, em média, 1.138,53 euros brutos em abril de 2016. Em causa está uma quebra de 0,2% face ao período homólogo. Já em comparação com outubro de 2015, o ganho aumentou 0,7%.

Por seu turno, a remuneração base atingiu 957,61 euros em abril, mais 0,7% em termos homólogos.

2017jan16_ganho-01

E é o setor que paga menos salários mínimos que apresenta remunerações mais elevadas. As atividades relacionadas com eletricidade, gás, vapor, água e ar contavam com um ganho médio de 2.854,48 euros em abril, enquanto a remuneração base era de 2.022,2 euros. No extremo oposto está o alojamento e restauração, com um ganho de 775,75 euros e uma remuneração base de 713,9 euros.

Face a abril de 2015, foram os “transportes e armazenagem” que registaram o maior aumento do ganho (4%). Já a descida mais acentuada coube às atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas (18,5%).

A disparidade salarial entre homens e mulheres continua a ser uma realidade. Se, em abril de 2016, o ganho médio dos homens era de 1.259,46 euros, o das mulheres ficava em 993,28 euros.

Já por nível profissional, são os operários e aprendizes que saem a perder. Os dirigentes recebem 3,3 vezes mais do que um aprendiz — com ganhos médios brutos de 2.238,05 e 670,45 euros respetivamente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salário mínimo ganha peso nas atividades administrativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião