Antigo BES Angola, novo Banco Económico com lucros em 2015

  • Lusa
  • 20 Janeiro 2017

O Banco Económico, que surgiu após a intervenção estatal angolana no Banco Espírito Santo Angola, fechou 2015 com um resultado líquido positivo de 57 milhões de euros.

O Banco Económico, que surgiu após a intervenção estatal angolana no Banco Espírito Santo Angola (BESA), fechou 2015 com um resultado líquido positivo de 57 milhões de euros, à taxa de câmbio atual, estando o processo de transformação concluído.

“Concluímos com a aprovação do relatório e contas [em assembleia-geral a 15 de dezembro de 2016], com a nossa imagem no mercado, com os nossos clientes e com o nosso pessoal e estamos focados já no futuro“, afirmou, em entrevista à Lusa, o presidente da comissão executiva do Banco Económico, Sanjay Bhasin.

O administrador falava a propósito da apresentação do primeiro relatório e contas do banco, que foi formalmente criado em assembleia-geral de acionistas do banco – sucessor do antigo BESA – a 29 de outubro de 2014.

“Estamos agora numa situação em que os clientes estão connosco, a base de clientes está a crescer e os depósitos aumentaram nos últimos dois anos. Estamos muito satisfeitos, tendo em conta a situação que tínhamos no passado”, disse Sanjay Bhasin, nomeado para aquelas funções também no final de 2014.

Segundo o relatório e contas, o Banco Económico registou um resultado líquido de 9.972 milhões de kwanzas (57 milhões de euros à taxa de câmbio atual, a moeda nacional desvalorizou entretanto mais de 30%) no exercício de 2015 e um produto bancário que chegou aos 21.603 milhões de kwanzas (121,6 milhões de euros). O resultado financeiro foi de 3.210 mil milhões de kwanzas (18 milhões de euros) em 2015, neste caso “em virtude do aumento das taxas de juro passivas”, nomeadamente as taxas de juro praticadas pelo banco central.

Os dados relativos ao exercício de 2016 serão conhecidos em março, com a administração a admitir que, embora positivos, sejam “inferiores” aos de 2015, fundamentalmente pelo aumento das dificuldades económicas do país e pela conjuntura ao nível das taxas de juro.

Após a intervenção do Banco Nacional de Angola (BNA), entre agosto e outubro de 2014, a composição acionista do novo banco então criado – e que envolveu a diluição das participações no antigo BESA para garantir o obrigatório aumento de capital e fazer face às perdas -, o grupo da petrolífera Sonangol passou a ser o principal acionista, através da Sonangol EP (16%), Sonangol Vida (16%) e Sonangol Holding (7,40%).

A Lektron Capital, alegadamente ligada a investidores chineses – proveniência que o Sanjay Bhasin preferiu não revelar, apesar de questionado pela Lusa -, entrou no capital social do banco com uma participação acionista de 30,98%, enquanto a Geni Novas Tecnologias assumiu uma posição de 19,90% e o Novo Banco ficou apenas com 9,72%, dos anteriores mais de 55% do BES português.

Entre 2014 e 2015, período que marcou a transformação do antigo BESA em Banco Económico, a instituição afirma ter captado “cerca de 15.000 novos clientes”, superando assim a fasquia dos 100.000.

Além disso, os depósitos das empresas registaram um crescimento de 42% e os depósitos do segmento de particulares subiram 22%. Globalmente, os depósitos ascendiam no final de 2015 a 509.442 milhões de kwanzas (2,8 mil milhões de euros, ao câmbio atual).

A carteira de crédito cifrou-se, neste período, nos 108.344 milhões de kwanzas (610 milhões de euros), segundo o relatório e contas.

Entre outros indicadores, o banco apresentou um rácio de crédito vencido que aumentou no exercício de 2015 em sete pontos percentuais, para 30% no final do ano, “justificado pelo abrandamento da atividade económica e seu reflexo ao nível das empresas e das famílias”, enquanto o rácio de solvabilidade baixou, face a 2014, para 17,81%.

O banco fechou o ano de 2015 com um total de 1.061 trabalhadores e, apesar do foco na contenção de custos com pontuais reestruturações na localização de agências, a administração afasta um cenário de despedimentos.

“Não há nenhum objetivo de redução do pessoal para ajustar os custos”, afirmou Sanjay Bhasin.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antigo BES Angola, novo Banco Económico com lucros em 2015

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião