TSU: Costa reunido com patrões e sindicatos

Com o chumbo da TSU no Parlamento, António Costa já marcou uma reunião com as confederações patronais para encontrar uma solução. O Conselho de Ministros reúne-se esta quinta-feira.

António Costa vai receber os patrões em São Bento no final da tarde desta quarta-feira para discutir alternativas à TSU. A reunião vai contar com a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Confederação do Turismo Português (CTP).

Além dos patrões, também os sindicatos foram chamados pelo primeiro-ministro para uma reunião de trabalho. Segundo o Jornal de Negócios, a CGTP está presente.

Cerca de 45 minutos depois de a votação na Assembleia da República chumbar a redução da Taxa Social Única, tal como era previsto dada a mudança da intenção de voto do PSD, o primeiro-ministro convocou os parceiros sociais para discutirem soluções para salvar o acordo de concertação social. Esta é uma reunião de trabalho onde estará, certamente, em cima da mesa a diminuição do Pagamento Especial por Conta (PEC).

Foi há minutos que a cessação de vigência do decreto-lei da TSU foi aprovada com os votos favoráveis do PSD, BE, PCP e Verdes. O PS votou contra e o CDS e o PAN abstiveram-se. À saída do plenário, depois da votação, o ministro do Trabalho recusou-se a adiantar já quais são as alternativas para compensar os patrões. Vieira da Silva garantiu apenas que “o Governo vai reunir com os parceiros” e discutir alternativas.

A imprensa esta manhã dava conta que a descida do PEC era o plano B que mais força reunia no Governo, dado que agrada aos patrões mas também aos partidos que apoiam o Executivo no Parlamento, além do CDS. O Conselho de Ministros reúne esta quinta-feira e prevê-se que surja uma alternativa para manter o acordo de concertação social.

(Atualizada às 18h48 com a informação de que os sindicatos também estão presentes na reunião)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TSU: Costa reunido com patrões e sindicatos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião