#BemVindosaoCanada, diz Trudeau aos refugiados rejeitados por Trump

  • ECO e Lusa
  • 28 Janeiro 2017

Donald Trump assinou o decreto para limitar a entrada de refugiados no pais. Vários países reagiram à decisão, ripostando contra os EUA. O Canadá reafirmou que mantém as portas abertas a todos.

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, afirmou hoje que o Canadá “vai receber” os refugiados rejeitados pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump que

Numa mensagem na rede social Twitter, Trudeau escreveu: “Para aqueles que fogem de perseguições, terrorismo e guerra, os canadianos vão receber-vos, independentemente da vossa fé. A diversidade é a nossa força #BemVindosaoCanadá”.

Trudeau difundiu, também através do Twitter, uma fotografia do momento em que recebe uma criança síria, no aeroporto de Toronto.

Depois de ser eleito, no final de 2015, o primeiro-ministro canadiano, Justin, Trudeau, já supervisionou a chegada de mais de 39 mil refugiados sírios ao Canadá.

O governo liberal canadiano tem tentado equilibrar a sua visão do mundo e as relações com a nova administração norte-americana liderada por Donald Trump anunciou o final da semana ter assinado um decreto relativo à imigração que prevê um controlo reforçado nas fronteiras para impedir a entrada de “terroristas islâmicos radicais”.

“Crio novas medidas de controlo para manter os terroristas islâmicos radicais fora dos Estados Unidos. Nós não os queremos cá”, insistiu o Presidente norte-americano durante a cerimónia, no Pentágono, da tomada de posse do seu secretário da Defesa, James Mattis.

Enquanto o Canadá, país cujas exportações para os EUA representam 75% do total, abre as portas do pais aos refugiados, outros países responderam de forma mais veemente à posição adotada por Trump. É o caso do Irão que anunciou que vai proibir a entrada de norte-americanos, reagindo à decisão “insultuosa” do Presidente dos EUA de restringir chegadas com origem em território iraniano e mais seis Estados muçulmanos.

Muro? Israel apoia

O decreto relativo à imigração é virado para “terroristas islâmicos radicais”. Mas ao mesmo tempo que aumenta o controlo das chegadas aos vários aeroportos norte-americanos, vai avançar com a construção do muro na fronteira com o México para tentar travar a entrada de mexicanos nos EUA.

A obra, que deverá arrancar nos “próximos meses”, tem sido alvo de várias críticas, mas recebeu agora o apoio do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. “O presidente Trump está certo. Eu construí um muro ao longo da fronteira sul de Israel. Parou toda a imigração ilegal. Grande sucesso. Grande ideia”, escreveu o político de forma telegráfica na rede social Twitter, adicionando as bandeiras de Israel e dos Estados Unidos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

#BemVindosaoCanada, diz Trudeau aos refugiados rejeitados por Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião