Função Pública: Novos reformados com forte quebra

  • ECO
  • 30 Janeiro 2017

O valor médio das pensões auferidas pelos reformados da Função Pública caiu para níveis de 1999, e há menos pessoas a aposentarem-se: menos 46,1% em 2016 do que em 2015.

A pensão média dos aposentados da Função Pública que se reformaram em 2016 foi inferior a mil euros pela primeira vez desde 1999. Os funcionários públicos que se aposentaram no ano passado vão receber em média 932,5 euros mensais, menos 16,1% do que em 2015, escreve esta segunda-feira o Diário de Notícias.

Também o número de novos reformados caiu drasticamente em 2016, sendo o mais baixo de sempre e quase metade do registado no ano anterior. Os dados da síntese de execução orçamental divulgados na sexta-feira passada permitiram ao Diário de Notícias concluir que 8.727 funcionários públicos decidiram reformar-se em 2016, menos 46,1% do que em 2015. A quebra nos números das aposentações pode dificultar os planos de encolher os quadros da Função Pública, visto que a aposentação é o principal método usado para o fazer.

A queda nestes números, que é de cerca de um terço dos registados em 2011, deve-se em parte à saída, nos últimos anos, de muitas das pessoas que tinham condições para se aposentarem, e também às elevadas penalizações aplicadas às saídas antecipadas, o que leva muitos a evitar essa estratégia.

A pensão média também caiu em 2016 face a 2015, sendo menos de mil euros, o que já não acontecia desde 1999. As razões são várias, segundo disseram ao DN os responsáveis sindicais José Abraão (da FESAP) e Helena Rodrigues (do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado), que apresentam como principais motivos o congelamento dos salários há vários anos, o congelamento das carreiras na Função Pública e os cortes a que ficam sujeitos aqueles que escolhem reformar-se antecipadamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Função Pública: Novos reformados com forte quebra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião