GitLab e o empregado que apagou o site sem querer

  • Juliana Nogueira Santos
  • 2 Fevereiro 2017

Podia ser o nome de uma fábula, mas é só a história de uma startup que viu o seu site em baixo depois de se enganar a apagar ficheiros. Ainda assim há uma moral.

“Confirmar antes de carregar no enter”, foi esta a lição que a GitLab, uma startup americana, aprendeu depois de um empregado apagar sem querer os dados errados e deixar toda a plataforma fora de serviço.

O incidente aconteceu quando um ficheiro deixou de funcionar, depois de terem sido feitos alguns ajustes à plataforma, devido a visitas de alguns spammers que a estavam a deixar lenta. Um funcionário, identificado no blog da plataforma como “team-member-1” confundiu o nome dos diretórios e procedeu à limpeza daquele que continha os relatórios de problemas e os comentários feitos a todos os projetos.

Quando o “team-member-1” se apercebeu do que estava na realidade a apagar, tentou parar o processo, que já ia bastante adiantado. Ficaram a sobrar 4,5 GB dos 300 GB que ocupavam o diretório. A tentativa de restauro começou nesse momento, com a equipa a utilizar a última cópia de segurança feita, que tinha sido há seis horas.

Após várias tentativas, conseguiram reaver a maioria dos ficheiros, sendo que todos os que tivessem sido criados nas seis horas depois da cópia de segurança foram totalmente perdidos. Em declarações ao Business Insider, o vice-presidente interino de marketing da empresa, Tim Anglade, afirmou que apenas 1% dos utilizadores da plataforma vão dar pela falta de alguma coisa.

Este afirmou também que o diretório apagado não continha qualquer linha de código dos seus utilizadores. A plataforma já é utilizada por grandes empresas como a IBM, a NASA ou a Nasdaq, mas segundo a Anglade os dados destas ou de outros utilizadores não ficaram comprometidos, visto que estes utilizam servidores próprios.

A GitLab é uma plataforma de programação que cria um ambiente de trabalho coletivo, para que vários programadores possam trabalhar no mesmo código ao mesmo tempo. Foi fundada em 2011 e já conseguiu investimentos na ordem dos 25 milhões de dólares.

E a pergunta que se impõe: alguém vai ser despedido? “Foi um erro, ninguém vai ser despedido”, afirmou a empresa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

GitLab e o empregado que apagou o site sem querer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião