Centeno: “Não concordaremos com tudo” no relatório da OCDE

  • Margarida Peixoto
  • 6 Fevereiro 2017

Na apresentação do relatório da OCDE sobre Portugal, Mário Centeno fez questão de contrapor as medidas do Governo às fragilidades apontadas pela OCDE.

“O relatório que será aqui apresentado pelo secretário-geral Gurría é uma avaliação independente da OCDE”, fez questão de sublinhar o ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Economic Survey sobre Portugal, esta segunda-feira, em Lisboa. Centeno abordou, um por um, os temas fundamentais do documento, contrapondo as medidas e políticas do Governo.

Não é o nosso relatório, nem assim deve ser“, frisou o ministro das Finanças, esclarecendo desde já que o Governo não subscreve tudo o que lá vem: “Como é natural não concordaremos com todos os seus elementos, mas, no geral, é um instrumento com extrema utilidade”.

Perante uma plateia cheia — onde a presença de vários membros do Governo liderado não passou despercebida a Angel Gurría (“Hoje não se trabalha muito no Governo”, disse o secretário-geral) — Centeno tocou em cada um dos pontos fundamentais abordados pela OCDE, contrapondo as perspetivas, medidas e políticas do Executivo.

O ministro das Finanças frisou que o défice “ficará claramente abaixo dos 2,3% e que “o saldo primário ficará acima dos 2%”. Reconheceu que a OCDE discorda das previsões para a taxa de desemprego apresentadas pelo Executivo, mas manteve o ponto de vista do Governo: “Baixaremos do limiar dos dois dígitos”, garantiu, acrescentando que está certo de que “assim que isso acontecer, a equipa da OCDE ficará genuinamente satisfeita”.

Centeno garantiu ainda que “o défice de qualificações está a ser ultrapassado” e que o Orçamento do Estado para este ano vai “impulsionar os níveis de investimento público e privado”.

Previsões da OCDE

Fonte: OCDE
Fonte: OCDE; Valores em % da variação anual

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “Não concordaremos com tudo” no relatório da OCDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião