Fitch não mexe, mexem os juros. Taxas em máximos

A Fitch decidiu, tal como Marcelo Rebelo de Sousa antecipou, não fazer qualquer alteração à notação financeira do país. Portugal continua a ser "lixo". Os juros estão em máximos de março de 2014.

Os juros da dívida portuguesa arrancaram a semana a subir. E estão a tocar máximos desde março de 2014. Depois de no final da semana passada a Fitch ter decidido manter a notação financeira do país em “lixo”, há um agravamento das taxas no mercado secundário para máximos de quase três anos: 4,262%, a dez anos. Isto antes de Portugal voltar ao mercado para se financiar com títulos a cinco e sete anos.

“O rating de Portugal [que foi mantido em ‘BB+’] é suportado por instituições fortes, um ambiente empresarial forte e uma das mais altas taxas de rendimento per capita na categoria ‘BB’”, disse a agência de notação financeira. Em contrapartida, a Fitch refere também os fatores negativos: níveis elevados de dívida pública e privada, um crescimento económico “fraco” e problemas que se arrastam no sistema financeiro.

Estes fatores negativos estão a pesar no comportamento das obrigações do Tesouro na primeira sessão após a decisão da agência de notação financeira norte-americana. As taxas sobem em todos os prazos, estando acima dos 2% a cinco anos e nos 4,262% no prazo a dez anos, registando uma subida de 8,9 pontos base para máximos de março de 2014.

Juros renovam máximos de 2014

2017fev6_juros-01
Fonte: Bloomberg

A Fitch manteve Portugal no nível de lixo, ou seja, fora do radar dos investidores, ao contrário da DBRS, que é a única agência de rating que mantém Portugal acima dessa fasquia, permitindo o acesso a programa de compras do Banco Central Europeu. É o apoio de Mario Draghi que tem evitado subidas mais expressivas, mantendo o país com acesso ao mercado de dívida.

Portugal volta aos mercados de financiamento esta semana. O Tesouro português conta emitir entre 1.000 e 1.250 milhões de euros em obrigações a cinco e sete anos na próxima quarta-feira. Esta será a segunda emissão de longo prazo do ano, depois da emissão sindicada a 10 anos realizada no dia 11 de janeiro em que o país pagou um juro de 4,3% por três mil milhões de euros em obrigações do Tesouro a dez anos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch não mexe, mexem os juros. Taxas em máximos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião