Fosun fica com 24% do BCP, Sonangol com 15%

A atual participação do grupo chinês ainda está abaixo do objetivo, que passa por ficar a deter 30% do banco português.

A Fosun aproveitou o aumento de capital para reforçar a posição no BCP para 23,92%. Apesar do aumento face aos 16,67% que detinha até agora, a atual participação ainda fica abaixo do objetivo do grupo chinês, que passa por ficar a deter 30% do banco português. Já os angolanos da Sonangol, que ainda não tinham confirmado se iam reforçar a posição no banco, aumentaram a participação de 14,87% para 15,24%.

A informação foi comunicada esta tarde pelo BCP à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“O BCP informa ter recebido dos acionistas Chiado [a empresa constituída pela Fosun para comprar participações no BCP] e Sonangol-Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola informação sobre as respetivas participações qualificadas (23,92% e 15,24%, respetivamente”, referiu o banco, em comunicado.

Ao que o ECO já tinha apurado, a participação da Fosun ficou abaixo do objetivo de 30% devido à forte procura registada pelos novos títulos do BCP. A operação foi totalmente subscrita e o número total de ações solicitadas pelos investidores acabou por superar em 22% o número de títulos em oferta. O aumento de capital de 1.330 milhões de euros vai permitir ao banco reembolsar ao Estado os 700 milhões de euros que restam dos CoCos, além de reforçar os rácios de capital.

Notícia atualizada pela última vez às 18h30.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fosun fica com 24% do BCP, Sonangol com 15%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião