Uber olha para a Nasa para pôr carros a voar

A Uber contratou Mark Moore à agência espacial norte-americana. Pretende que o ex-engenheiro da Nasa a ajude a desenvolver carros voadores.

A Uber trouxe um novo conceito de transporte de passageiros. Agora, quer dar mais um salto. E grande. O objetivo será pôr os carros a voar. E já está a contratar. Um ex-engenheiro da Nasa foi o primeiro escolhido para tornar esse sonho em realidade.

Mark Moore, o engenheiro em causa, depois de mais de 30 anos na agência espacial americana vai integrar a divisão Elevar da Uber com o cargo de diretor, adianta o Financial Times (acesso pago).

A empresa sinalizou, em outubro passado, o seu interesse na “descolagem e pouso vertical”, a tecnologia VTOL no âmbito da publicação do livro branco que discute o potencial para “on-demand aviation”.

A pesquisa de Moore vai no sentido de perceber como é que os avanços da robótica, sistemas autónomos e propulsão elétrica podem facilitar novos tipos de pequenas aeronaves.

Nikhil Goel da Uber adianta que a empresa está entusiasmada “por Mark se juntar” à empresa.

No seu perfil do Linkedin, o ex-funcionário da Nasa adianta que a sua pesquisa em sistemas aéreos não tripulados e veículos aéreos tem o potencial para “facilitar uma mudança na aviação dentro dos próximos 20 anos”.

Num trabalho de pesquisa que Mark Moore terá realizado ainda ao serviço da Nasa explicou que “a emissão zero, altamente eficiente e confiável e a ultra capacidade da tecnologia VTOL seria um passo à frente se comparado com o que já existe quer em termos de aplicações para tripulados ou não tripulados”.

Esta abordagem disruptiva interessa à Uber, que tem vindo a investir em tecnologia e já introduziu mudanças radicais no panorama de transportes de passageiros.

De resto, a própria Airbus referiu no mês passado que poderia começar a testar um carro voador. Tom Enders, presidente executivo da Airbus, adiantou mesmo que “estamos num momento em que muitos avanços tecnológicos o tornam possível”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber olha para a Nasa para pôr carros a voar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião