Depois de oito anos vêm as férias (e o kitesurf)

  • Juliana Nogueira Santos
  • 8 Fevereiro 2017

Um presidente a fazer kitesurf? Só podia ser Obama, que tem aproveitado as férias ao máximo. Oito anos depois, volta afazer-se ao mar na companhia de Richard Branson.

Passaram oito anos desde que Barack Obama entrou pela primeira vez na Casa Branca como presidente dos Estados Unidos da América. Depois de uma crise financeira, da ascensão do Estado Islâmico, das lutas pelos direitos humanos, Obama entregou a chave a Donald Trump no passado dia 20 de janeiro e partiu no Special Air Mission 28000 com destino à Califórnia.

Desde então, as aventuras de Obama em férias têm sido notícia por todo o mundo: apareceu ao lado da sua esposa, Michelle, com o look casual e a descontração que sempre o caracterizou, aproveitou para passear de bicicleta com as suas filhas, entre tantas outras coisas que “as pessoas normais” costumam fazer.

A última história vem das Ilhas Britânicas, que receberam o casal Obama pelas mãos de Richard Branson. O empresário contou a história no seu blogue, tendo desafiado o antigo presidente a fazer algo que já não fazia há alguns anos: “Nos últimos oito anos, ele não conseguiu fazer surf, desportos de água e tantas outras coisas que gostava. Então dar-lhe a oportunidade de aprender a fazer kitesurf foi uma proposta fantástica.”

Assim surgiu este vídeo que tem dado que falar um pouco por todo o mundo. Branson e Obama numa competição de foilbord para perceber quem conseguia percorrer a maior distância sem cair. E o vencedor? Obama, mesmo só tendo tido oportunidade de treinar durante dois dias.

Os momentos de descontração são visíveis nas fotografias que acompanham a história, com o empresário e o político a aproveitarem ao máximo.

A internet não esperou muito para começar a reagir: a clássica história da separação tem sido usada vezes sem conta, com Obama a surgir como o namorado que saiu contente da relação e a América a namorada penosa sob nova administração. Memes à parte, o antigo presidente aparece revitalizado e pronto a fazer o que cumpriu assim que saiu da Sala Oval, ou seja, voltar outra vez ao trabalho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de oito anos vêm as férias (e o kitesurf)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião