CDS sobre o caso CGD: “Centeno disse que inexistia algo que existia”

Os centristas acusam o ministro das Finanças de entrar em contradição no caso da correspondência da Caixa Geral de Depósitos. O CDS acusa Centeno de "mentir" à comissão de inquérito.

João Almeida

Em conferência de imprensa no Parlamento, o deputado centrista João Almeida afirma que houve uma “quebra de verdade sob a comissão de inquérito” por parte de Mário Centeno. Em causa está um requerimento que o CDS fez em novembro, a pedir correspondência entre o ministro das Finanças e António Domingues, mas o Ministério das Finanças respondeu em janeiro a dizer que essas cartas não existiam.

Os centristas afirmaram esta quinta-feira que não vão quebrar o “princípio de manter sob reserva até declaração formal” em contrário, mas que a revelação do conteúdo não é necessário para apurar que o “o senhor ministro das Finanças disse à comissão de inquérito que não existia documentação que agora a comissão de inquérito já recebeu”.

A 13 de novembro, o CDS fez um requerimento a pedir a correspondência trocada entre o ministro das Finanças e o ex-presidente executivo da CGD, nomeadamente para aferir as “condições colocadas para a aceitação” do cargo por parte de António Domingues. O chefe de gabinete do ministro das Finanças respondeu a 3 de janeiro a dizer que “inexistem trocas de comunicações com essas características”, revela o CDS.

Quem nomeou Mário Centeno terá de analisar as consequências políticas.

João Almeida

Deputado do CDS

“Perguntaremos ao senhor ministro das Finanças se quer voltar atrás na resposta que deu ao Parlamento a 3 de janeiro“, indicou João Almeida, lembrando as consequências, “inclusive penais”, de “mentir” à comissão de inquérito. Em causa, argumenta o CDS, está um “crime de perjúrio”, ou seja, de prestar falsas declarações, uma vez que uma comissão de inquérito tem “poderes idênticos aos dos processos judiciais”. “Esta é uma oportunidade para o ministro das Finanças retificar aquilo que agora é evidente que não corresponde à verdade”, diz.

“Ponderamos muito bem tudo o que estamos a dizer”, reforça o centrista, revelando que além da oportunidade que o CDS quer dar a Mário Centeno de voltar atrás na sua palavra, os deputados vão também chamar Domingues para “dizer se existem ou não as informações que o Governo tem tentado dar a entender que não existem”. “Houve ou não houve um compromisso com o Governo?”, questiona João Almeida, uma pergunta que os centristas querem ver respondida.

O CDS recusa-se a pedir preto no branco a demissão de Mário Centeno, mas ressalva que “quem nomeou Mário Centeno terá de analisar as consequências políticas“. “Não pedimos nenhuma demissão”, disse João Almeida.

(Notícia atualizada às 18h24)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS sobre o caso CGD: “Centeno disse que inexistia algo que existia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião